Guerra de spreads aperta. BPI e Crédito Agrícola baixam margem para 1,1%

São já seis os bancos que este ano reviram em baixa a margem mínima que se dispõem a cobrar para disponibilizar crédito à habitação. BPI e Crédito Agrícola foram os últimos.

A “guerra” nos spreads do crédito da casa está a “aquecer”. Desta vez, o protagonismo cabe ao BPI e ao Crédito Agrícola. As duas instituições financeiras reviram em baixam os respetivos spreads, exigindo agora uma margem mínima de 1,1% para disponibilizarem crédito para a compra de casa.

As novas margens mínimas são publicitadas pelos dois bancos nos respetivos preçários atualizados no início deste mês de outubro. O BPI e o Crédito Agrícola publicitavam até agora um spread mínimo de 1,2%, valor que ambos reduzem agora para 1,1%.

Os dois bancos são assim os mais recentes exemplos do intensificar da disputa no setor pela conquista de clientes para as respetivas soluções de financiamento para a aquisição de habitação. Para além da descida dos spreads, um dos focos tem sido também o reforço das campanhas de incentivo à transferências de créditos com origem na concorrência.

Os spreads mínimos em dez bancos

Fonte: Preçários dos bancos

Com essa descida dos respetivos spreads, o BPI e o Crédito Agrícola aproximam-se um pouco mais da oferta mais competitiva da concorrência. O passo mais marcante desse movimento de alívio de spreads foi dado ainda no início de setembro, tendo o Bankinter sido o protagonista. O banco espanhol quebrou em baixa a barreira psicológica dos 1%, ao fixar a margem mínima que exige para disponibilizar empréstimos para a compra de casa nos 0,95%.

No saldo da disputa pelo crédito à habitação, entre as dez instituições financeiras mais representativas neste segmento, são já seis as que este ano procederam a reduções de spreads. A primeiro foi o BCP que em março desceu o seu spread mínimo para 1%, acontecendo o mesmo com o Santander mas em meados deste ano. Já em setembro seguiu-se o Bankinter que fixou o seu valor mínimo em 0,95% e o Banco Montepio que passou a disponibilizar spreads a partir de 1,1%.

Tendo em conta o universo dos dez bancos — CGD, BCP, Santander, BPI, Novo Banco, Banco Montepio, Crédito Agrícola, Bankinter, Eurobic e Banco CTT — o leque dos spreads mínimos disponíveis no mercado nacional cabe num intervalo muito curto. Vai do mínimo de 0,95% até 1,25% valor este exigido pelo Novo Banco que se mantém com a proposta menos competitiva. Muito próximo desse valor está a CGD, que publicita um spread mínimo de 1,23%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra de spreads aperta. BPI e Crédito Agrícola baixam margem para 1,1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião