Bankinter é o primeiro banco a voltar a ter spread para a casa abaixo de 1%

Banco reduziu a margem mínima que exige para financiar a compra de casa para 0,95%, quebrando a barreira psicológica dos 1%. Mantém-se com o spread mínimo mais baixo do mercado.

Mais um episódio na guerra de spreads do crédito da casa, com o Bankinter a ser o protagonista. O banco acaba de rever em baixa o que se dispõe a cobrar para financiar a compra de casa, colocando o seu spread mínimo nos 0,95%. Trata-se do primeiro banco em mais de uma década a colocar o spread mínimo abaixo da barreira psicológica dos 1%.

Foi esta segunda-feira que a instituição financeira espanhola anunciou a alteração da sua tabela de spreads no crédito à habitação. Baixou a sua margem mínima que se mantinha há dois anos nos 1% para os 0,95%, valor que passa a esta disponível a partir já desta segunda-feira.

De acordo com Vítor Pereira, Diretor de Produtos, CRM e Marketing e membro da Comissão Executiva do Bankinter Portugal, “ao baixar o spread do Crédito Habitação para 0,95%, o valor mais competitivo do mercado, reafirmamos o nosso compromisso com os clientes em Portugal, que sabem que podem contar com o Bankinter para os apoiar na realização dos seus projetos neste momento tão importante. Esta é também uma mensagem de confiança na economia portuguesa”.

Anúncio da descida do spread mínimo surge apesar de em fevereiro deste ano, Alberto ramos, diretor-geral do Bankinter Portugal ter descartado a possibilidade de a instituição que lidera vir a rever em baixa os seus spreads no crédito à habitação de taxa variável, dizendo que o objetivo passava aliás por encaminhar clientes para os produtos de taxa fixa.

Para poderem beneficiar da margem mínima exigida agora pela instituição financeira, entre os critérios exigidos, incluem-se a subscrição e manutenção de seguro de vida e multiriscos e a domiciliação de ordenado.

(Notícia atualizada às 11h25)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter é o primeiro banco a voltar a ter spread para a casa abaixo de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião