Governo tem 1,3 milhões para avaliar vulnerabilidade do país às alterações climáticas

  • ECO
  • 7 Setembro 2020

O Governo vai lançar o projeto RNA 2100 que vai avaliar o impacto, a vulnerabilidade e o risco das alterações climáticas no território nacional.

O Governo vai lançar um projeto de 1,3 milhões de euros que vai avaliar a vulnerabilidade do país às alterações climáticas. O objetivo é apoiar e dar resposta a exercícios de política pública de adaptação às alterações climáticas nos vários níveis de intervenção territorial.

Chama-se “Roteiro Nacional para a Adaptação 2100 – Avaliação da vulnerabilidade do território Português às alterações climáticas no século XXI” (RNA 2100) e vai ser assinado esta segunda-feira pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática. O projeto tem um financiamento total de 1,3 milhões de euros, sendo que 400.000 euros foram atribuídos pelo mecanismo financeiro EEA Grants e 900 mil pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

O RNA 2100 vai, através de um “conjunto de projeções e estimativa de custos de adaptação às alterações climáticas para os setores económicos em 2100”, avaliar o impacto, a vulnerabilidade e o risco das alterações climáticas no território nacional. “Os resultados alcançados estabelecerão diretrizes para os contextos micro e macroeconómico”, diz o ministério de Matos Fernandes, em comunicado.

Envolvidas neste projeto estão várias entidades como a APA, enquanto promotora, o Banco de Portugal, a Direção Geral do Tesouro (DGT), a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a Direção Norueguesa de Proteção Civil.

Nota: Notícia corrigida às 20h41 após nota enviada pelo Ministério onde corrige os valores avançado ao início da manhã.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo tem 1,3 milhões para avaliar vulnerabilidade do país às alterações climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião