Depois das sabrinas, Josefinas aposta nas malas

Conhecida pelas sabrinas, a Josefinas acaba de lançar linha de malas inspiradas em Carolina Beatriz Ângelo. Há duas versões, a Carolina e a Mini Carolina, e custam 390 e 310 euros, respetivamente.

Conhecida pelas icónicas sabrinas, a marca portuguesa de calçado raso artesanal Josefinas acaba de lançar uma mala para senhora. A novidade é inspirada em Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal.

“A Josefinas acredita que tudo o que cria deve ter um significado e, enquanto marca portuguesa, dá a conhecer ao mundo a mulher que rompeu as normas de uma sociedade patriarcal, mostrou que as mulheres são capazes e abriu portas a várias conquistas”, explica a empresa em comunicado.

As malas Carolina e Mini Carolina estão disponíveis em dois tamanhos e custam, respetivamente, 390 euros e 310 euros. Ambas as versões são fabricadas em pele genuína por artesãos portugueses e demonstram a força de uma das figuras mais emblemáticas do feminismo em Portugal. De acordo com a empresa, o laço “forte e ousado representa a coragem de Carolina”.

A Josefinas foi fundada em 2013 por duas mulheres. Atualmente, exporta para mais de 60 países. Uma das missões da marca passa por apoiar mulheres em risco, sendo que, no ano passado, a Josefinas venceu um prémio internacional através de uma campanha contra a violência doméstica.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois das sabrinas, Josefinas aposta nas malas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião