PSD acusa Governo de “arrogância” na gestão da estratégia do hidrogénio

Salvador Malheiro, vice-presidente do PSD, voltou a classificar o projeto para a produção de hidrogénio verde em Sines como "megalómano" e acusou o Governo de dar "passo maior que a perna".

Salvador Malheiro, presidente da câmara Municipal de Ovar e vice-presidente do PSD, aproveitou o palco da conferência anual da APREN Portugal Renewable Energy Summit 2020 para voltar a classificar como “megalómano” o projeto industrial de produção de hidrogénio verde em Sines, que o Governo quer ver avançar no terreno já em 2021.

“Receio que estejamos a dar um passo maior do que a perna”, disse, reconhecendo ao mesmo tempo que a oportunidade do hidrogénio “não pode ser perdida”. O social-democrata defende para o hidrogénio o desenvolvimento de vários projetos descentralizados, com o máximo de players envolvidos, e “não ir de imediato para uma instalação megalómana de 1 GW, que obriga a ter 1,5 GW de energia solar”.

Depois de uma troca acesa de acusações com o secretário de Estado da Energia nas redes sociais, sobre este mesmo tema, em agosto, Salvador Malheiro voltou agora a deixar um recado a João Galamba: “Não devia haver uma arrogância tão grande de quem está a gerir isto”.

“Estamos a partir cedo demais para um projeto que tem algum risco. A maior instalação do mundo de hidrogénio verde tem uma escala de 10 MW no Japão, estando já a ser desenvolvida uma semelhante na Alemanha. Portugal quer começar logo com 1 GW”, ou seja, 100 vezes mais, disse Salvador Malheiro, sublinhando que “a eficiência dos eletrolisadores não é ainda a que gostaríamos de ter”. Mesmo nas tecnologias que estão mais maduras, os eletrolisadores atingem hoje uma eficiência de apenas 70%, diz o social-democrata.

Malheiro apontou também o dedo às grandes empresas que fazem parte do consórcio para a produção de hidrogénio em Sines — como a EDP e a Galp, entre outras. Na sua opinião, em vez de um grande projeto de 1 GW em Sines seria melhor ter vários projetos de 1 MW espalhados pelo país, envolvendo mais empresas e “sem ninguém favorecido”.

“Porquê aquelas empresas e não outras no consórcio de Sines”, questionou Malheiro, sublinhando que “o poder político tem uma enorme responsabilidade de criar um ecossistema em que todos possam ganhar”, grandes e pequenas empresas.

O autarca de Ovar levantou ainda outras questões em relação ao hidrogénio, nomeadamente no que diz respeito ao preço do mesmo, que o Governo estima que poderá estar ao mesmo nível do gás natural dentro de alguns anos, na ordem de 1,5 euros/kg.

Na sua intervenção na conferência da APREN, António Costa Silva, conselheiro do Governo para o Plano de recuperação Económica reconheceu que “a produção do hidrogénio ainda é cara ao dia de hoje, cabendo ao Governo trabalhar para inverter esse cenário”.

“Para chegarmos a esses valores é preciso produzir hidrogénio em larga escala. Vamos ter um projeto megalómano para exportamos hidrogénio. Quem é que vai pagar isto? o custo da energia elétrica para alimentar os eletrolisadores ultrapassa esse valor de 1,5 euros/kg. Alguém vai ter de pagar e espero que não tenha custos para o consumidor”, disse Malheiro, que é mais favorável a projetos industriais como o da Bondalti para o hidrogénio verde, em que a produção e o consumo serão feitos no mesmo local, sem necessidade de transporte.

Defendendo uma maior abrangência na política do Governo para os gases renováveis, Malheiro chamou a atenção também para a biomassa, como fonte endógena renovável. E pediu para a estratégia nacional de eficiência energética a mesma atenção e apoio que está a ser dado ao hidrogénio.

Sobre a ambição de injetar hidrogénio nas redes de gás natural no futuro, o vice-presidente do PSD realçou que “não é assim tão simples”, a começar pelos limites de inflamabilidade deste gás. “O hidrogénio arde, não se vê, não tem cheio, pode dar origem a explosões. O hidrogénio escapa, ataca as ligas metálicas, fragiliza as condutas“, alertou, sublinhando o “risco de de colocar hidrogénio nas redes, que não estão adaptadas”.

Quanto ao armazenamento de hidrogénio, garante que tem custos energéticos enormes, tendo em conta a baixa densidade energética, quatro vezes inferior do que o gás natural. “Com o hidrogénio nas redes vamos ter menos energia”, garante. Por último, lembrou ainda que as ambições do Governo para a utilização do hidrogénio na indústria pode esbarrar com o facto de “as caldeiras que hoje queimam gás natural e outros combustíveis fósseis no terem uma adaptação imediata ao hidrogénio”.

Do lado da ADENE – Agência para a Energia, Nelson Lage, garantiu que a aposta no hidrogénio é já a “pensar no futuro” e que não terá encargos para os consumidores “porque se aprendeu com os erros do passado”, referindo-se às tarifas fixas nas renováveis. O presidente da ADENE garante que “sem investimento do setor privado não há há uma estratégia nacional para o hidrogénio” e elogiou as parcerias internacionais já estabelecidas, nomeadamente com a Holanda.

Quanto às críticas de Salvador Malheiro, Nelson Lage considera que no que diz respeito ao hidrogénio “esperar não é uma solução” e “não agir seria uma irresponsabilidade”. Sublinhou ainda que já estão a ser desenvolvidos muitos projetos no terreno — mais pequenos, de dimensão local. “Sines não é um projeto de um consórcio, tem várias empresas envolvidas. E o hidrogénio em Portugal não é apenas sinónimo de Sines, há projetos do norte ao sul do país”, rematou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD acusa Governo de “arrogância” na gestão da estratégia do hidrogénio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião