Base da easyJet em Faro é “compromisso muito sério” com Portugal, diz Siza Vieira

Pedro Siza Vieira destacou a importância de uma nova base sazonal em Faro, numa altura em que, apesar da pandemia, a "vontade de viajar é intensa".

O ministro da Economia saudou a abertura da nova base sazonal da easyJet em Faro, afirmando que este é um “compromisso muito sério” que a companhia aérea britânica estabelece com Portugal. Siza Vieira salienta que há procura por parte dos viajantes e que a “vontade de viajar é intensa”. Desconhece-se, contudo, o valor do investimento e se a easyJet vai receber algum tipo de apoio público.

“Muitas vontades se conjugaram para que isto pudesse acontecer”, disse o ministro da Economia esta quinta-feira, na cerimónia de apresentação da nova base aérea da easyJet. Reforçando a importância desta abertura “no contexto particular em que vivemos”, Siza Vieira disse ainda que “quem se prepara nos momentos difíceis para responder de melhor forma à retoma é quem vai beneficiar melhor da reforma”.

O ministro acrescentou que “reforçar as ligações aéreas no país é importante para continuar a reforçar a capacidade de Portugal atrair visitantes”. Assim, afirmou que a “aposta da easyJet não é apenas estratégica, mas um compromisso muito sério com Portugal”.

Também presente na cerimónia estava José Lopes, diretor-geral da easyJet em Portugal, que destacou os 100 postos de trabalho diretos que esta nova base vai criar. “O processo de recrutamento começa hoje. A nossa preocupação é dar prioridade a quem já trabalha connosco”, disse, explicando que quem quiser poderá pedir transferência para Faro. Se com isso ficarem vagas por preencher, aí sim, será aberto um processo externo de recrutamento.

O responsável da companhia low-cost explicou que esta abertura em Faro tem a ver com o facto de Faro ser o “segundo maior ponto da rede da easyJet que ainda não era uma base” e um dos pontos “preferidos” dos turistas. “Hoje transportamos 20 milhões de pessoas para esta região. A primavera vai assistir a nova base, com muitos mais empregos indiretos para suportar a nossa operação e os turistas que irão chegar”.

Com esta nova base sazonal, que trará mais três aeronaves, a easyJet vai passar a contar com três bases em território nacional — Porto, Lisboa e Faro — e reforçar a operação a partir do Algarve, somando 17 destinos internacionais com partida do sul do país. Para além de Faro, a empresa escolheu também Málaga para abrir uma outra base, totalizando 29 bases na rede europeia.

Esta quinta-feira, no dia em que anunciou a abertura destas duas novas bases, a easyJet adiantou que transportou mais de nove milhões de passageiros no quarto trimestre, ao mesmo tempo em que atravessa um processo de reestruturação devido aos impactos provocados pela pandemia. Durante a cerimónia, tanto o ministro da Economia como o diretor-geral da companhia foram questionados sobre o investimento nestas novas bases, bem como se a empresa iria receber apoios públicos, mas não foi dada qualquer resposta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Base da easyJet em Faro é “compromisso muito sério” com Portugal, diz Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião