Governo quer até 25% da administração central em teletrabalho no interior do país

No âmbito da medida que prevê a descentralização dos serviços públicos, o Governo vai permitir o teletrabalho para 25% dos trabalhadores até ao final da legislatura e apostar em espaços de cowork.

O Governo vai permitir o teletrabalho para 25% dos trabalhadores da administração central com funções compatíveis, até ao final da legislatura, no âmbito da transferência dos trabalhadores para o interior do país, refere a proposta de Orçamento do Estado para 2021, apresentada na noite desta segunda-feira.

A medida pretende contribuir para “uma maior flexibilidade da prestação de trabalho, em termos de horário e de conjugação com a vida pessoal, familiar e profissional e, simultaneamente, mitigar o absentismo”.

A transferência de serviços públicos para o interior “será alicerçada num programa de portabilidade dos postos de trabalho, visando o aproveitamento das estruturas locais existentes, nomeadamente nas autarquias ou noutras instituições do Estado, para que possam ser criados centros de teletrabalho no interior do país, designadamente através da disponibilização de espaços de trabalho partilhados (co-work)“, lê-se ainda no relatório do OE para 2021.

 

De acordo com a proposta orçamental, a implementação destes espaços de trabalho partilhado, “permite ao trabalhadores uma maior flexibilidade na gestão do seu dia-a-dia, fixar população nas regiões de menor densidade populacional, melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores da Administração Pública, bem como a manutenção das relações sociais no contexto laboral”.

Só no próximo ano serão identificados os serviços públicos e os seus trabalhadores a transferir para o interior do país.

A proposta orçamental foi entregue esta segunda-feira no Parlamento pelo Governo. A votação na generalidade está agendada para 28 de outubro e a votação final global do documento para 26 de novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer até 25% da administração central em teletrabalho no interior do país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião