Metade dos inquilinos deixaram de pagar a renda em Lisboa

  • ECO
  • 12 Outubro 2020

Inquérito da Associação Lisbonense de Proprietários revela que mais de metade dos inquilinos deixou de pagar a renda logo a partir do mês de abril e nos meses seguintes.

Durante a pandemia mais de metade (59,1%) dos 320 proprietários de imóveis habitacionais e comerciais, inquiridos pela Associação Lisbonense de Proprietários (ALP), revelam que deixaram de receber o pagamento de rendas durante o estado de emergência, avança o Público (acesso pago).

De acordo com o primeiro barómetro “Confiança dos Proprietários ALP”, a esmagadora maioria dos inquilinos deixou de pagar a renda logo a partir do mês de abril e nos meses seguintes. Recorde-se que para mitigar os efeitos da pandemia, o Executivo avançou, no início de abril, com um pacote de medidas destinadas à habitação nomeadamente, através de uma moratória no pagamento das rendas, a suspensão dos prazos para a denúncia de contratos e a proibição dos despejos.

Além disso, mais de metade dos inquiridos (56%) que revelaram ter deixado de receber as rendas, afirmam que tal aconteceu sem o inquilino ter feito qualquer aviso nem apresentado documentação que comprovasse a sua perda de rendimento, tal como a lei prevê. Proprietários queixam-se de que o regime de exceção tem sido “arbitrariamente utilizado pelos inquilinos”, revela o mesmo jornal.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Metade dos inquilinos deixaram de pagar a renda em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião