Wall Street desce pela terceira sessão consecutiva

Os índices norte-americanos fecharam esta quinta-feira em terreno negativo, acumulando três sessões consecutivas de perdas por causa da falta de acordo sobre os novos estímulos nos EUA.

Fechou tal como abriu: Wall Street pintou-se de vermelho na sessão desta quinta-feira, semelhante ao que ocorreu noutros mercados financeiros como o da Europa.

O Dow Jones desceu 0,07% para os 28.494,20 pontos, o Nasdaq desvalorizou 0,47% para os 11.713,87 pontos e o S&P 500 cedeu 0,15% para os 3.483,34 pontos. Os índices norte-americanos desvalorizaram pela terceira sessão consecutiva, o maior ciclo de perdas em quase um mês.

A volatilidade dos mercados deverá continuar nas próximas semanas com os investidores a enfrentarem uma série de incertezas“, explica Mark Haefele, analista do banco UBS, à CNBC, referindo os contratempos na procura por uma vacina, como o da Johnson&Johnson, a subida do número de casos de Covid-19 e as eleições presidenciais.

Contudo, o principal motivo para a queda das bolsas continua a ser a falta de acordo entre democratas e republicanos sobre o novo pacote de estímulos. Esta quarta-feira Steven Mnuchin repetiu que não deverá haver um novo pacote de estímulos antes das eleições. Mesmo entre republicanos não há acordo total: o presidente Donald Trump quer um “grande” pacote de estímulos ao passo que os republicanos do senado preferem uma intervenção mais curta.

Entre as cotadas, o destaque vai para as ações do Facebook que desvalorizaram quase 2% após a notícia do Financial Times que dava conta de um acordo entre França e a Holanda para que a União Europeia tenha uma maior intervenção nas grandes tecnológicas, incluindo a possibilidade de as separar em partes mais pequenas. As ações da Apple e a Alphabet (dona da Google) também desvalorizaram.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street desce pela terceira sessão consecutiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião