Andorra adere ao FMI e torna-se o 190º membro da organização

  • Lusa
  • 18 Outubro 2020

"Andorra enfrenta desafios de curto e longo prazo similares a outros Estados europeus e outros membros do FMI, que foram agravados pela pandemia", sublinha Georgieva.

O Principado de Andorra assinou esta semana a adesão ao Fundo Monetário Internacional, tornando-se o 190.º país a aderir a esta instituição financeira multilateral, concluindo assim um processo que começou em janeiro.

“Estou muito satisfeita em dar as boas vindas a Andorra enquanto 190.º membro do FMI”, comentou a diretora executiva do Fundo, Kristalina Georgieva, no final de um encontro que manteve com a embaixadora de Andorra nos EUA, Elisenda Vives Balmaña.

Andorra enfrenta desafios de curto e longo prazo similares a outros Estados europeus e outros membros do FMI, que foram agravados pela pandemia, e o FMI está pronto para trabalhar de perto com as autoridades e o povo de Andorra para atingir objetivos de desenvolvimento e crescimento em cooperação com outros parceiros da comunidade internacional”, acrescentou a líder do FMI, citada num comunicado enviado às redações.

A quota inicial de Andorra no FMI é de cerca de 116,4 milhões de dólares, o equivalente a pouco mais de 99 milhões de euros. O processo de adesão de Andorra foi o primeiro feito de forma virtual devido à pandemia, e decorreu desde janeiro, data em que o principado fez o pedido formal de adesão ao FMI.

“A adesão permite ao Governo de Andorra beneficiar de aconselhamento na definição de políticas rumo a uma recuperação sustentável, especialmente num contexto de combate à pandemia de Covid-19”, lê-se na página do FMI, onde esta informação ocupa a primeira página.

“Em particular, o país vai agora poder receber uma revisão anual do FMI, um ‘exame à saúde’ da economia feito pelo FMI, aceder a assistência técnica e ter empréstimos do Fundo, se for necessário”, conclui-se na página.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Andorra adere ao FMI e torna-se o 190º membro da organização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião