Phone House falha PER e encerra portas em Portugal

O PER da Phone House foi rejeitado e a justiça declarou a insolvência da cadeia de comércio de telemóveis. Empresa confirma ao ECO o encerramento da atividade em Portugal. Tinha 300 trabalhadores.

A Phone House encerrou portas em Portugal, não tendo sobrevivido às dificuldades financeiras que foram agravadas pela pandemia da Covid-19. Há 21 anos no mercado nacional, a empresa está formalmente insolvente, enfrentando dívidas num montante a rondar os 11,6 milhões de euros, a maioria a bancos e fornecedores.

O Juízo de Comércio de Sintra do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa proferiu a sentença de declaração de insolvência da popular cadeia de venda de smartphones na quinta-feira, segundo informação publicada no portal de justiça Citius. A marca, que estava sujeita a um Processo Especial de Revitalização (PER) desde maio, está agora sob a égide de um administrador de insolvência, Pedro Rodrigues Filipe.

Contactada pelo ECO, fonte oficial da Phone House confirma o encerramento da marca em Portugal: “O impacto da pandemia [da] Covid-19 e a não aprovação do PER provocou o encerramento da Phone House – Portugal, uma empresa de referência no retalho de telecomunicações no mercado nacional”, começa por destacar.

“Na sequência da pandemia da Covid-19, que afetou profundamente a empresa, eminentemente retalhista, sendo que praticamente todas as lojas estiveram encerradas três meses, causando elevados prejuízos para a empresa, a Phone House submeteu um PER (Processo Especial de Revitalização) que assentava numa reestruturação da empresa, para dar continuidade e sustentabilidade futura e manutenção dos postos de trabalho. Infelizmente, o PER não foi aprovado, embora tivesse merecido o apoio favorável dos principais fornecedores da empresa”, explica uma porta-voz da marca.

O impacto da pandemia e a não aprovação do PER provocou o encerramento da Phone House – Portugal, uma empresa de referência no retalho de telecomunicações no mercado nacional.

Fonte oficial da Phone House

“Sem a aprovação deste plano e continuando-se a verificar uma retoma lenta da atividade e com muitos condicionamentos no retalho, principalmente nos shoppings, devido à manutenção e agravamento da pandemia, a empresa não conseguiu sobreviver e ultrapassar as dificuldades. De qualquer forma, manteve a sua atividade normal, otimizando todos os recursos disponíveis, com o objetivo de dar condições de continuidade à empresa”, acrescenta.

A Phone House termina, destacando “a importância da dinâmica que a marca gerou no mercado” e o “contributo para o desenvolvimento e massificação dos serviços, marcas e operadores de telecomunicações durante os seus 21 anos em Portugal”, bem como “a dedicação e contributo de todos os trabalhadores”.

Mais de 100 lojas e 300 trabalhadores

A marca contava com cerca de 100 lojas multi-operador no país, entre as quais 30 lojas em regime de franchising. Era ainda o operador das lojas da Samsung e de outras marcas, como era o caso da loja da Huawei no Colombo. Terá gerado um volume de negócios a rondar os 30 milhões de euros no ano passado, apurou o ECO em maio. Em junho, o Expresso noticiava que a empresa teria cerca de 300 trabalhadores.

Segundo o edital publicado no portal de justiça Citius, a decisão judicial de insolvência da Phone House ainda pode ser alvo de recurso. Fonte oficial da marca não confirmou se tenciona ou não recorrer, mas a resposta remetida às questões sugere que o encerramento da atividade é decisão já tomada.

“Pode ser aprovado Plano de Insolvência, com vista ao pagamento dos créditos sobre a insolvência, a liquidação da massa e a sua repartição pelos titulares daqueles créditos e pelo devedor. Podem apresentar proposta de Plano de Insolvência o administrador de insolvência, o devedor, qualquer pessoa responsável pelas dívidas da insolvência ou qualquer credor ou grupo de credores que representem um quinto do total dos créditos não subordinados”, refere o edital da justiça.

Foi em maio que o ECO noticiou que a situação financeira débil da empresa levou à abertura de um Processo Especial de Revitalização (PER), no sentido de alcançar um plano de recuperação e evitar a falência da loja de smartphones.

Nessa altura, fonte oficial da empresa confirmava ao ECO as dificuldades financeiras vividas pela marca de comércio de telemóveis: “Após uma reestruturação que resultou em dois períodos consecutivos com melhoria de performance, a situação financeira da empresa agravou-se no último ano, em virtude de vários fatores, dos quais se destacam um mercado bastante competitivo”, disse fonte oficial. O “contexto” da pandemia “veio precipitar a necessidade de uma reestruturação mais abrangente”, acrescentou a mesma fonte.

Em junho, veio a saber-se que mais de metade da dívida de 11,6 milhões de euros da The Phone House é devida a bancos como o BCP, Santander, BPI e Caixa Geral de Depósitos. Do valor total que é reclamado, cerca de 57% diz respeito a dívidas da Phone House junto do BCP, do Santander, da Caixa Geral de Depósitos e do BPI, num montante que chega aos 6,7 milhões de euros. A “maior” fatia dos créditos é devida ao BCP (3,9 milhões de euros), seguindo-se o Santander (1,74 milhões), a Caixa (924,7 mil) e o BPI (167,6 mil).

Do lado dos fornecedores, a Phone House deve 1,2 milhões de euros à Samsung, o que corresponde a cerca de 10,7% dos créditos. Não sendo a maior credora, ao contrário do que se acreditava até aqui, a tecnológica sul-coreana está a cooperar no PER da Phone House e “salvou” a marca da insolvência, viabilizando o processo.

Entre os credores minoritários, como já tinha sido noticiado, estão centros comerciais, outras marcas de telemóveis e diversas empresas. A lista provisória de credores, que ainda pode sofrer alterações, inclui ainda vários créditos laborais a particulares.

Contactadas pelo ECO, fonte oficial da Samsung e fonte oficial da Huawei não quiseram fazer comentários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Phone House falha PER e encerra portas em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião