“Não há nenhum interesse por parte do Bankinter” no Novo Banco, diz a CEO do banco espanhol

Portugal contribuiu com 33 milhões de euros para o resultado do Bankinter. Banco espanhol diz não ter interesse na aquisição do Novo Banco nem do EuroBic.

O Bankinter descartou qualquer interesse na aquisição do Novo Banco em 2021. Também adiantou que não olhou para a operação do EuroBic, mantendo-se apostado em crescer de forma orgânica.

O setor bancário europeu iniciou uma nova vaga de fusões e aquisições, com destaque para o mercado espanhol. Em Portugal, o EuroBic está em processo de venda, enquanto o Novo Banco poderá ser um dos grandes negócios dos próximos anos.

Num caso como no outro, o Bankinter não está interessado. “Sobre a possibilidade de comprar o Novo Banco em 2021, confirmo que não há nenhum interesse por parte do Bankinter”, reiterou a conselheira delegada do banco, María Dolores Dancausa, na conferência de apresentação de resultados. Antes, o diretor financeiro Jacobo Diaz havia posto de parte o EuroBic.

Mesmo em Espanha, os analistas têm deixado o Bankinter à margem do processo de consolidação. “Somos um banco capaz de gerar rendimentos, sólido e independente, e assim queremos continuar. Os analistas deixam-nos fora das fusões porque não queremos participar nelas”, explicou Dolores Dancausa.

“O Bankinter nunca teve a ambição de ser muito grande, mas de ser rentável. Estamos confortáveis com o nosso tamanho, queremos continuar a crescer de forma orgânica, gerar rendimentos, que é o que interessa”, disse.

Portugal contribuiu com 33 milhões de euros para os resultados de 220 milhões de euros do Bankinter, um desempenho que, apesar da queda de 36% face ao mesmo período do ano passado, deixou María Dolores Dancausa satisfeita. A margem de juros em Portugal subiu 10% para 70 milhões de euros e o resultado antes de provisões disparou 60%.

O diretor financeiro do banco adiantou que as moratórias concedidas no mercado português totalizam os mil milhões de euros, correspondendo a 14% do total do crédito em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não há nenhum interesse por parte do Bankinter” no Novo Banco, diz a CEO do banco espanhol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião