Portugal atinge recorde com 3.270 novos casos de Covid-19. Morreram mais 16 pessoas

Novo recorde nos casos diários de Covid-19 em Portugal. A DGS detetou 3.270 novas infeções por Covid-19, registando ainda 16 óbitos provocados pela doença.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 3.270 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 109.541 o número de casos confirmados em Portugal desde o início da pandemia. Trata-se de uma subida diária superior a 3%, perfazendo um novo máximo histórico nos registos diários de novos casos no país.

O número total de vítimas mortais subiu para 2.245, depois de terem sido registadas mais 16 mortes nas últimas 24 horas, um número equivalente ao do balanço anterior. Há agora um total de 42.765 pessoas no país a lutarem contra a doença, uma subida de 1.961.

Boletim epidemiológico de 22 de outubro:

Na análise por regiões fica evidente a maior incidência de novos casos a Norte do país. Dos 3.270 novos infetados, 1.954 localizam-se nesta zona, que tem a lamentar sete novas mortes por Covid-19. Lisboa regista 936 novos casos e seis novas mortes.

A região Centro tem agora mais 281 casos e duas mortes, seguindo-se o Alentejo (56 casos e uma morte) e o Algarve (28 casos e zero mortes). Nas regiões autónomas, destaque para os 12 novos casos na Madeira e três casos nos Açores, sem qualquer morte a lamentar face ao anterior balanço da DGS.

Há agora um total de 1.365 pessoas sujeitas a internamento em enfermaria geral, mais 93 do que na quarta-feira, bem como 200 pessoas em unidades de cuidados intensivos (mais 13). Estes últimos representam os casos mais graves e que inspiram mais cuidados médicos.

O mais recente balanço da DGS inclui ainda mais 1.293 pessoas recuperadas da Covid-19, num total de 64.531 pessoas que sobreviveram à doença. Há atualmente 55.809 pessoas sob vigilância ativa das autoridades de saúde, por terem estado em contacto com outras pessoas entretanto diagnosticadas, uma redução diária de 73.

Governo prevê aumento nos próximos dias

Na conferência de imprensa do Conselho de Ministros esta quinta-feira, em que foram aprovadas novas medidas de controlo da pandemia, a ministra da Saúde admitiu que “prevê-se que este número de casos vá aumentar ao longo dos próximos dias”.

Marta Temido explicou que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem disponíveis 18.017 camas que também “podem ser ocupadas por utentes com patologia Covid”. Destas, 1.165 já o estão, disse.

Face ao agravar da pandemia em Portugal, o Executivo voltou a apertar as regras de combate ao novo coronavírus, proibindo os cidadãos de saírem do concelho de residência entre 30 de outubro e 3 de novembro (fim de semana de finados). Há também regras específicas para alguns concelhos mais afetados pela pandemia, entre os quais Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira.

(Notícia atualizada pela última vez às 16h04)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal atinge recorde com 3.270 novos casos de Covid-19. Morreram mais 16 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião