Trabalho remoto em alto mar? Este cruzeiro foi feito para nómadas digitais

O cruzeiro Crypto Cruise Ship quer ser um espaço para empreendedores, startups e até YouTubers. Os quartos começam a ser leiloados em novembro e os primeiros hóspedes podem entrar em janeiro de 2021.

O Crypto Cruise Ship, da empresa OceanBuilders, promete ser o próximo destino para o trabalho remoto, em alto mar. Tal como sugere o nome, o cruzeiro foi construído a pensar nos amantes e investidores da criptomoeda, mas também quer ser um espaço para empreendedores, nómadas digitais ou startups, refere o Business Insider (acesso gratuito, conteúdo em inglês). Os camarotes poderão começar a ser ocupados em janeiro de 2021.

O cruzeiro tem capacidade para acolher duas mil pessoas nos 777 camarotes e conta com uma área de mais de 400 mil metros quadrados. Os hóspedes poderão usufruir de ginásio, aulas de ioga e meditação, piscina e até de uma pista de corrida.

A empresa de cruzeiros destaca ainda que o navio poderá ser uma opção segura devido à pandemia: “Bem gerido, pode ser o lugar mais saudável e seguro do mundo para se viver”, lê-se na página oficial.

The Crypto Cruise Ship (D.R.)D.R.

“O MS Satoshi é um ambiente focado no negócio onde poderá relocalizar a sua empresa ou estabelecer um novo negócio num ambiente de empreendedores. Todos, desde nómadas digitais até YouTubers, startups ou negócios, serão recebidos com espaços de escritório preparados para os receber e às suas equipas”, convida a empresa no site oficial.

Os preços variam entre os 20.000 e os 40.000 euros e os primeiros quartos começam a ser leiloados a 5 de novembro. As inscrições podem ser feitas na página oficial. O navio ficará atracado na costa do Panamá e os primeiros hóspedes do cruzeiro podem começar a fazer as mudanças já em janeiro do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalho remoto em alto mar? Este cruzeiro foi feito para nómadas digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião