Aumento das infeções por Covid-19 nos EUA penaliza Wall Street

Os índices norte-americanos estão em terreno negativo, numa altura em que continua a aumentar o número de pessoas infetadas com coronavírus na Europa e nos Estados Unidos.

As bolsas de Nova Iorque estão em queda, numa altura em que o aumento do número de casos de infeção está a fazer escalar as preocupações dos investidores quanto às perspetivas económicas mundiais. Os Estados Unidos registaram novos recordes diários no fim de semana, ultrapassando as 83.000 infeções por dia.

O índice de referência financeiro S&P 500 está a cair 0,91% para 3.433,80 pontos, acompanhado pelo tecnológico Nasdaq que perde 0,63% para 11.475,62 pontos. Pelo mesmo caminho segue o industrial Dow Jones ao recuar 1,07% para 28.032,03 pontos.

Este desempenho dos mercados norte-americanos ocorre numa altura em que os novos casos de infeção por coronavírus aumentam a níveis nunca antes visto, não só nos Estados Unidos, mas também na Europa. Na sexta-feira e no sábado foram batidos novos recordes no país de Donald Trump, com mais de 83.000 novos casos por dia, ultrapassando o máximo anterior de 77.300 casos em julho.

De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, citados pela CNBC (conteúdo em inglês), os Estados Unidos registaram uma média de 68.767 casos por dia nos últimos sete dias.

Face a esta evolução, aumentam as preocupações dos investidores quanto às perspetivas económicas mundiais e a uma recuperação. “A probabilidade decrescente de se chegar a acordo quanto aos estímulos orçamentais nos EUA antes das eleições, possivelmente até mesmo antes do final do ano, bem como o agravamento do número de casos e o aumento das medidas de prevenção… tudo parece estar a tirar o brilho daquela que era uma visão de mercado bastante complacente das perspetivas” para a economia, diz James Athey, diretor de investimentos da Aberdeen Standard Investments, citado pela Reuters.

Entre as ações que se destacam esta segunda-feira estão a Royal Caribbean, que segue a perder 6,85% para 60,06 dólares, assim como a Delta Airlines que recua 4,01% para 32,63 dólares. No setor tecnológico, destaque para a Microsoft que cai 0,83% para 214,43 dólares e para a Oracle que desvaloriza 3,39% para 57,87 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento das infeções por Covid-19 nos EUA penaliza Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião