Mais de três dezenas de bancos da UE utilizam paraísos fiscais

  • Lusa
  • 26 Outubro 2020

Estas operações podem revelar que os bancos estão a transferir os seus lucros para reduzir a sua fatura fiscal.

Mais de três dezenas de bancos da UE e do Reino Unido utilizaram paraísos fiscais de baixo imposto ou imposto zero e 29 “pareciam estar a declarar” lucros em países onde não empregavam, segundo um estudo da Transparency International.

“Entre os 39 bancos da União Europeia e do Reino Unido analisados no estudo, 31 estavam a utilizar paraísos fiscais de baixo imposto ou imposto zero, enquanto 29 pareciam estar a declarar lucros elevados em países onde não empregavam efetivamente qualquer pessoal”´, indicou, em comunicado, a rede anti-corrupção Transparency International Portugal (Transparência e Integridade), citando dados do relatório “Murky havens and phantom profits: the tax affairs of EU and UK banks”.

Segundo o documento, estas operações podem revelar que os bancos estão a transferir os seus lucros para reduzir a sua fatura fiscal.

Desde 2015, os bancos da União Europeia são obrigados a publicar relatórios “country by country” sobre impostos, lucros e colaboradores.

“As práticas questionáveis destacadas pela nossa investigação continuam a escapar ao escrutínio público”, apontou a responsável pelo Transparency International EU, Elena Gaita, exemplificando que o HSBC relatou lucros de 1,59 mil milhões de euros na Arábia Saudita, apesar de não ter funcionários no país.

Por outro lado, o Deutsche Bank reportou lucros de 418 milhões de euros em Malta, onde não tem colaboradores desde 2016.

“Só pudemos examinar o comportamento fiscal dos bancos porque estes estão sujeitos às regras de declaração de impostos da União Europeia, país por país”, notou Elena Gaita.

Para esta responsável, em causa pode estar “apenas a ponta do iceberg”, pelo que defende ser “essencial” que as regras sejam alargadas a outros setores da economia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de três dezenas de bancos da UE utilizam paraísos fiscais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião