Avaliação das casas trava subida. Manteve-se em 1.128 euros por metro quadrado

O valor mediano a que os bancos estão a avaliar os imóveis para efeitos de concessão de crédito à habitação ficou inalterado em setembro, com o metro quadrado a manter-se nos 1.128 euros.

O valor a que os bancos avaliam os imóveis para efeitos de concessão de crédito à habitação travou a escalada em setembro, após cinco meses a subir. Manteve-se nos 1.128 euros por metro quadrado, o mesmo valor registado em agosto, naquele que parece ser um primeiro sinal do impacto da pandemia.

“O valor mediano de avaliação bancária em setembro foi igual ao observado no mês anterior: 1.128 euros”, informa o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira. Adianta ainda que, apesar da manutenção do valor em termos mensais, o registo de setembro representou “uma desaceleração em termos homólogos”, tendo a taxa de variação abrandado de 7,0% em agosto para 5,8% no mês passado.

Os especialistas têm questionado sobre qual poderá ser o impacto da pandemia no setor imobiliário, sendo que até ao momento parece ter escapado à crise pandémica, ao contrário de outros setores e do que se passou na anterior crise em Portugal.

A última vez que a avaliação dada às casas pelos bancos cedeu terreno foi em março, no primeiro mês da pandemia no país, tendo o valor decrescido um euro face a fevereiro. Porém, desde então, já subiu 18 euros em cinco meses, atingindo os 1.128 euros por metro quadrado em agosto e setembro, os registos mais elevados do histórico do INE, que se inicia em janeiro de 2011.

O INE revela ainda que o número de avaliações bancárias ascendeu a cerca de 24 mil em setembro de 2020, o que representa uma subida de 3% face ao mesmo período do ano anterior, depois de nos meses da pandemia ter ficado significativamente abaixo.

Avaliação da banca às casas interrompe subida

Fonte: INE

Por regiões, o maior aumento face ao mês anterior registou-se na Região Autónoma da Madeira (+3,2% para 1.142 euros), enquanto a maior redução foi observada no Centro (-1,4% para 832 euros).

No Algarve e na Área Metropolitana de Lisboa, as duas regiões com as avaliações mais elevadas do país, registaram comportamentos diferentes: no primeiro caso, houve uma subida nos valores na ordem dos dez euros, com o valor mediano do metro quadrado avaliado em 1.518 euros; no segundo caso, houve uma valorização de seis euros para 1.493 euros.

No Norte e nas Regiões Autónomas dos Açores também se verificaram tendências opostas: as avaliações decresceram no primeiro caso para 992 euros, tendo subido para 927 euros no segundo caso.

(Notícia atualizada às 11h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avaliação das casas trava subida. Manteve-se em 1.128 euros por metro quadrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião