Lucros da EDP Renováveis caem 7% até setembro

  • ECO e Lusa
  • 29 Outubro 2020

A EDP Renováveis viu os lucros até setembro caírem 7%, para 319 milhões de euros. Vendas no Brasil e Espanha penalizaram os resultados.

A EDP Renováveis lucrou 319 milhões de euros entre janeiro e setembro deste ano, uma redução de 7% face ao mesmo período do ano anterior. A informação faz parte de um relatório remetido à CMVM.

O EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da elétrica atingiu 1.074 milhões de euros, uma quebra homóloga de 12% que penalizou o resultado líquido. Essa quebra é justificada com “transações de sell-down” que ocorreram no período.

As receitas diminuíram para 1.259 milhões de euros, uma queda de 8%, “com o impacto da capacidade, do recurso eólico e de forex a não ser compensado pelos “preços de venda mais elevados”.

No final do terceiro trimestre, a EDP Renováveis tinha um portfólio de ativos operacionais de 11,5 GW (gigawatts) com vida média de nove anos e no último ano construiu 875 MW (megawatts), incluindo uma participação de 50% num portfólio solar de 278 MW nos EUA.

Durante esse período, seguindo a sua estratégia de vendas (sell-down), a empresa desfez-se de toda a sua participação no parque eólico de 137 MW Babilonia no Brasil e desmantelou 18 MW em Espanha, para “re-potenciação” desse mesmo parque eólico. No total, a variação líquida anual consolidada do portfólio foi de +712 MW até 30 de setembro último.

Nesse mês, a EDP Renováveis tinha 2,2 GW de nova capacidade em construção, dos quais 1.693 MW relacionados com a energia eólica onshore, 200 MW com energia solar e 269 MW com participações consolidadas por equity em projetos eólicos offshore.

A empresa produziu nos primeiros nove meses do ano 20,4 TWh (terawatts) de energia limpa (-7% do que um ano antes), evitando 13 megatoneladas em emissões de CO2.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da EDP Renováveis caem 7% até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião