Huawei deixa de ser líder mundial na venda de telemóveis

  • Lusa
  • 30 Outubro 2020

A Huawei vendeu no terceiro trimestre 51,7 milhões de telemóveis, uma queda de 23%, face ao mesmo período do ano passado. Perde o título de líder mundial na venda de smartphones.

O grupo chinês Huawei perdeu o título de líder mundial na venda de telemóveis, no terceiro trimestre de 2020, conclui a empresa de análise de mercado Canalys, refletindo o impacto das sanções norte-americanas. A Huawei vendeu no terceiro trimestre 51,7 milhões de telemóveis, uma queda de 23%, face ao mesmo período do ano passado.

A concorrente sul-coreana Samsung vendeu 80,2 milhões de dispositivos, uma subida homóloga de 2%, recuperando a posição de maior fabricante do mundo, de acordo com o estudo da Canalys difundido esta sexta-feira.

A Huawei está na mira do Governo de Donald Trump, que acusa a empresa de estar ao serviço dos serviços de informações da China. No espaço de pouco mais de um ano, Washington reviu por três vezes as suas regras de controlo sobre as exportações para a Huawei, afetando fornecedores da empresa chinesa em todo o mundo.

Desde setembro, por exemplo, a empresa não pode equipar os seus aparelhos com os novos processadores Kirin, que o grupo não tem capacidade de fabricar internamente. A empresa também perdeu o acesso a atualizações para Android, o sistema operacional do Google que é usado pela maioria das marcas de telemóveis.

“Guerra comercial” beneficia Xiaomi

As sanções beneficiaram, no entanto, a outra grande fabricante chinesa, a Xiaomi. “A Xiaomi assumiu o risco de estabelecer metas de alta produção e valeu a pena”, disse Mo Jia, analista da Canalys.

A fabricante chinesa vendeu 47,1 milhões de smartphones, um aumento de 45%, face ao terceiro trimestre de 2020, apesar da procura global ter caído 1%.

“Há um paralelo entre a Xiaomi, que produziu mais 14,5 milhões de dispositivos, e a Huawei, que produziu menos 15,1 milhões”, observou Mo.

Fundada em 2010, a Xiaomi registou forte crescimento, nos últimos anos, oferecendo dispositivos de última geração a um preço acessível. Quase desconhecida no exterior há cinco anos, a marca era na época regularmente ridicularizada pelos seus produtos, fortemente inspirados no iPhone da Apple.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Huawei deixa de ser líder mundial na venda de telemóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião