Alibaba e Richemont investem 1,1 mil milhões na Farfetch para acelerar digitalização da indústria de luxo

Empresa fundada por José Neves fecha parceria com gigante chinês para "acelerar a digitalização da indústria do luxo". Alibaba e Richemont investem mais de 1.000 milhões na Farfetch.

A Farfetch anunciou na noite desta quinta-feira que fechou uma parceria com o grupo chinês Alibaba e com a suíça Richemont para “acelerar a digitalização da indústria do luxo”. O acordo prevê o investimento de 600 milhões de dólares repartidos entre a Alibaba e a Richemont em obrigações convertíveis na Farfetch Limited, e ainda mais 500 milhões de dólares (repartidos pelas duas empresas) na Farfetch China, uma joint venture que incluirá um marketplace na região chinesa.

“O capital adicional vai dar suporte à Farfetch na sua estratégia a longo prazo para entregar plataformas de tecnologia globais para a indústria da moda de luxo e facilitar a continuação do foco da companhia em executar os seus planos de crescimento e o caminho face ao lucro operacional”, assinala a empresa fundada pelo português José Neves em comunicado.

“A Alibaba e a Richemont têm uma opção de compra combinada de mais 24% da Farfetch Chica depois do terceiro ano após a formação da joint venture. (…) Os investimentos da Alibaba e da Richemont e o estabelecimento da joint venture esperam-se concluídos durante a primeira metade de 2021”, explica ainda a Farfetch em comunicado.

O anúncio de parceria das três cotadas é explicado como uma “parceria estratégica global que forneça às marcas de luxo um acesso ao mercado chinês assim como uma aceleração da digitalização da indústria de luxo global”. O gigante chinês vai lançar canais de venda de luxo da Farfetch no Tmall Luxury Pavilion e no Luxury Soho, assim como no internacional Tmall Global. No seu conjunto, a plataforma global de luxo da Alibaba dará à Farfetch acesso a mais de 757 milhões de consumidores, “oferecendo às marcas de luxo uma solução multi-marca através de uma única integração com a Farfetch”.

“Este anúncio é um enorme passo na nossa missão de ligar os curadores, criadores e consumidores da indústria da moda de luxo. O investimento de 1,15 mil milhões na Farfetch pelo Alibaba Group, Richemont, e Artemis é uma validação forte da nossa posição coo plataforma global para o mercado do luxo. As novas iniciativas com o grupo Alibaba e a Richemont vão ampliar a estratégia da Farfetch para permitir que a transformação digital aconteça na indústria do luxo, que já foi acelerada com os desafios sem precedentes resultantes da crise pandémica da Covid-19″, assinala José Neves, fundador, CEO e chairman da Farfetch.

Para Daniel Zhang, chairman e CEO do grupo Alibaba, “esta parceria altamente complementar junta algumas das marcas líderes mundiais no mercado do luxo e nas plataformas tecnológicas, representando mais um marco na estratégia da Alibaba de dar resposta à procura crescente por produtos de luxo na China”. “Espera-se que o mercado de luxo chinês represente metade das vendas de luxo mundiais em 2025, suportado por centenas de milhões de jovens consumidores nativos digitais”.

“O poder de forças altamente complementares vai permitir-nos oferecer a experiência de um omnicanal. (…) As parcerias fortalecem-nos”, assinala Johann Rupert, chairman da Richemont.

Para François-Henri Pinault, chairman da Artemis, que investe mais 50 milhões de euros na Farfetch, “o potencial de crescimento do luxo no e-commerce nunca foi tão prometedor, e a importância da China para a indústria do luxo está a tornar-se mais óbvia a cada dia que passa. (…) O investimento feito pela Artemis demonstra que acreditamos no futuro da Farfetch”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alibaba e Richemont investem 1,1 mil milhões na Farfetch para acelerar digitalização da indústria de luxo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião