O bem-estar destas empresas vem num sumo que se serve fresco

Criada em 2019, a Detox in a Box prepara e vende preparados de fruta fresca para smoothies, entregues em empresas. Tudo para garantir aos trabalhadores saúde bebível em forma de benefício.

Inês Góis, fundadora da Detox in a Box.D.R.

Foi em Madrid, entre saltos de refeições, correrias e pratos nutricionalmente duvidosos que Inês Góis se pôs a pensar numa maneira mais simples de comer fruta e vegetais frescos sem ter de antecipar o despertador. A ideia de criar aquilo que viria a ser a Detox in a box transformou-se em projeto de universidade e, meses depois, no início de 2019, estava a ser colocada em prática no Porto.

“O arranque esteve assente na ideia de tornar a alimentação saudável mais simples”, explica, em conversa com a Pessoas/ECO. Engenheira de gestão industrial e a trabalhar em consultoria, Inês sentia que andava sempre de um lado para o outro e, ao mesmo tempo, sem muita paciência para preparar refeições que garantissem a ingestão dos nutrientes necessários ao seu bem-estar. E, como ela, haveria mais gente, pensou.

“A Detox in a box não é para as pessoas super saudáveis que já se levantam mais cedo para garantirem as refeições mas para as que querem fazê-lo e não conseguem. A startup trata da ideia de conseguir ir esse produto sem a complexidade de o preparar”, simplifica a fundadora. Por isso, a Detox in a box é uma espécie de “Nespresso para smoothies”: uma liquidificadora adaptada aos copos que já trazem a quantidade certa de frutas e legumes, indicada por nutricionistas, e que trata de transformar os ingredientes entregues frescos na empresas para os transformar em sumos. “Lançámos uma subscrição para empresas, em que colocamos a máquina sem custos, e elas oferecem o serviço como um benefício para os seus trabalhadores”, acrescenta.

Os smoothies da Detox in a box vêm com as receitas e quantidades já preparadas no copo. Basta transformar os ingredientes em sumo de fruta e vegetais.D.R.

O core da startup continua a ter como foco as empresas e a dinâmica nos seus escritórios mas a pandemia ajudou a acelerar o processo de criação de novas soluções.

“Queremos tornar a alimentação saudável mais conveniente e, por isso, temos outros serviços como cabazes de fruta, workshops de nutrição que fomos mantendo online e que segue o nosso conceito que está relacionado com a alimentação saudável e afastado da ideia de dieta. Apesar do nome ‘Detox in a box’, a startup nada tem a ver com emagrecer, mas com bem-estar. Acreditamos no poder da alimentação saudável para aumentar a imunidade e entregamos estas soluções, tanto nas empresas como em casa dos colaboradores”, acrescenta Inês.

Os ingredientes frescos têm quatro dias de validade dentro dos copos onde vêm mas o crescimento da Detox in a box passará pelo lançamento de novidades em breve. O próximo passo serão refeições disponíveis numa office station, um serviço grab & go saudável, dentro das empresas, que a startup vai lançar brevemente. “Quando as pessoas não voltarem aos escritórios e as cantinas ou cafetarias não acompanharem esse regresso, terão ali uma solução de alimentação saudável”, assinala a fundadora a solo.

O preço dos smothies varia entre os 2,90 e os 4 euros na loja online e começa nos 2,5 euros quando comprado em quantidade, pelas empresas. Existem três categorias de receitas de sumos funcionais e, todos os meses, as receitas mudam. Além do produto em si, a empresa oferece as receitas e uma newsletter onde ajuda os consumidores a perceber que potencial têm determinadas receitas e alimentos na sua alimentação e no seu bem-estar. Segundo a Organização Internacional do Trabalho, uma alimentação mais saudável pode levar a um aumento de até 20% na produtividade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O bem-estar destas empresas vem num sumo que se serve fresco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião