Restrições contra a Covid “ameaçam ferir de morte” restaurantes e alojamentos

Numa carta aberta ao primeiro-ministro, a associação que representa a restauração e o alojamento fala num "ataque sem precedentes" devido a todas as medidas que têm sido definidas pelo Governo.

Os próximos dias revelam-se assustadores para o setor da restauração e do alojamento, que continua a gritar por ajuda e apoios públicos. Depois das últimas medidas que foram decretadas, vem aí mais limites de circulação, o que prejudica diretamente estes estabelecimentos. Numa carta aberta ao primeiro-ministro, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) diz que “não é possível continuar neste rumo desastroso” e acusa o Executivo de um “ataque sem precedentes” ao setor.

“Sabemos do difícil e instável cenário que vivemos, sabemos que a atual situação pandémica nos dificulta a vida a todos, mas não é possível continuar neste rumo desastroso para as nossas atividades económicas“, começa por escrever a associação, na carta que enviou a António Costa.

No documento, a AHRESP salienta que as últimas medidas decretadas pelo Governo, na sequência do novo estado de emergência, “ameaçam ferir de morte” os restaurantes e os alojamentos turísticos. Em causa está a proibição de circular na via pública (exceto em situações necessárias) entre as 23h e as 5h durante a semana e entre as 13h e as 5h aos fins de semana.

A associação diz que tem vindo a alertar o Executivo para as dificuldades, mas que, “a cada quinzena que passa”, “as regras do jogo são alteradas” e, com isso, “a cada dia que passa”, as empresas do setor “vão enfraquecendo”. Para a AHRESP, as recentes medidas são “um ataque sem precedentes”, sobretudo pelo facto de o setor “não compreender que sejam estabelecidas uma série de exceções“, como por exemplo a supermercados.

Assim, a AHRESP pede que sejam implementadas as dez medidas de emergência que definiu recentemente, salientando que o inquérito mais recente feito ao setor apontou que 41% dos restaurantes e 19% dos alojamentos ponderam ir para insolvência.

Leia na íntegra a carta aberta da AHRESP ao Governo

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Restrições contra a Covid “ameaçam ferir de morte” restaurantes e alojamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião