Remote fecha ronda de 29 milhões de euros. Index Ventures lidera

A startup portuguesa que simplifica processos de onboarding remoto fechou mais uma ronda de investimento. Financiamento permite aumentar equipa para 65 pessoas e chegar a 30 países até final do ano.

Os fundadores da Remote, Marcelo Lebre (ex-Unbabel) e Job van der Voort.D.R.

A Remote, startup de tecnologia que simplifica os processos de onboarding remotos, concluiu esta quarta-feira uma ronda Série A de 35 milhões de dólares (equivalente a 29,5 milhões de euros), liderada pela Index Ventures, a quem se juntaram os fundos Sequoia Capital, Two Sigma e General Catalyst. O investimento vai permitir acelerar o crescimento, aumentar a equipa para 65 pessoas e expandir os serviços da startup para 30 países, ainda este ano.

Em abril deste ano, a Remote fechou uma ronda de 10 milhões de euros, liderada pela Sigma Ventures. Com o novo investimento anunciado esta semana, a Remote quer duplicar a equipa no próximo ano e, no mínimo, chegar aos 60 países em 2021.

“O trabalho remoto tornou-se regra para milhares de empresas e prevemos que mais de 40% dos empregos serão híbridos ou totalmente remotos nos próximos anos. Acreditamos que as empresas devem ser capazes de empregar qualquer pessoa no mundo e que as oportunidades devem ser acessíveis, independentemente do local onde a pessoa reside. O investimento vai permitir-nos continuar a construir ferramentas para que as empresas facilitem o trabalho remoto. O remoto não facilita apenas o emprego, mas ajuda as empresas a vencer a guerra global por talento”, sublinha Job van der Voort, CEO e cofundador da Remote, citado em comunicado.

Fundada em janeiro de 2019 por Marcelo Lebre (CTO) e Job van der Voort (CEO), a Remote tem como objetivo ajudar as empresas a simplificar os processos de contratação em ambiente remoto. Desde o início do ano, a startup tem duplicado mensalmente a carteira de clientes, tendo hoje nomes como a GitLab, Loom, Cargo One, Whereby e a Phaidra.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Remote fecha ronda de 29 milhões de euros. Index Ventures lidera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião