Governo encerra estabelecimentos das 13h às 8h no fim de semana. Mercearias podem ficar abertas

O Governo decretou que a generalidade do comércio e restauração vai ter de fechar durante o recolher obrigatório nos fins de semana. Pequenas padarias e mercearias deverão poder continuar abertas.

O Conselho de Ministros determinou o encerramento da generalidade dos estabelecimentos comerciais e restaurantes em Portugal “entre as 13h00 de sábado e as 8h00 de domingo e das 13h00 de domingo até às 8h00 de segunda-feira” nos próximos dois fins de semana, depois de se verificarem tentativas de contornar o espírito da lei, na ótica do Governo.

Após a reunião desta quinta-feira, o primeiro-ministro admitiu em conferência de imprensa que tem havido nos últimos dias “uma espécie de concurso para ver onde está a exceção para não cumprir” as regras de controlo da pandemia. Por isso, a generalidade do comércio vai ter de fechar, exceto algumas mercearias, padarias consultórios e outros, enquanto os restaurantes só poderão funcionar após as 13h00 para as entregas ao domicílio.

“Vimo-nos forçados a eliminar qualquer tipo de equívoco. Para que isso aconteça, fica determinado o encerramento a partir das 13h00 de sábado e até às 8h00 de domingo, e a partir das 13h00 de domingo até às 8h00 de segunda-feira, todos os estabelecimentos comerciais, ou de restauração”, salientou António Costa, em declarações transmitidas pelas televisões.

No entanto, de acordo com o primeiro-ministro, esta regra também tem exceções. É o caso de “algumas padarias, consultórios médicos e veterinários, farmácias, bombas de gasolina, retalho alimentar, de produtos naturais ou dietéticos, com porta aberta para a rua e com área não superior a 200 metros quadrados”, detalhou o chefe do Governo. “Quanto à restauração, só poderá funcionar a partir das 13h00 para proceder à entrega domiciliária”, acrescentou.

“Espero que assim não haja espaço para qualquer tipo de equívoco e eliminemos aquilo que seguramente com bom senso todos teriam podido praticar, mas que, perante a manifesta vontade de haver incumprimento, temos simplesmente de adotar uma regra rígida, e a regra é: às 13h00, tudo fechado”, ressalvou António Costa.

O dia desta quinta-feira ficou marcado pela decisão do Pingo Doce de abrir às 6h30 nos próximos dois fins de semana, uma medida que a empresa justifica como forma de evitar concentrações de clientes, mas que foi bastante criticada. Face à pressão também das autarquias, que se chegaram à frente com proibições unilaterais às pretensões da empresa, a Jerónimo Martins decidiu recuar na decisão.

(Notícia atualizada pela última vez ás 19h36)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo encerra estabelecimentos das 13h às 8h no fim de semana. Mercearias podem ficar abertas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião