Há apenas quatro empresas portuguesas no Dow Jones Sustainability Index

Em 2020 foram selecionadas 324 empresas para integrar o DJSI World. É nesta lista que se incluem a EDP, a Galp e a Jerónimo Martins. Já o BCP faz parte de uma versão alargada deste índice.

Em 2020 são quatro as empresas portuguesas convidadas para integrar a família de índices Dow Jones Sustainability Indices (DJSI): EDP, Galp, Jerónimo Martins e Banco Comercial Português. Além dos indicadores económicos e financeiros, estes índices avaliam critérios como a transparência, a gestão corporativa, as relações com os investidores, a responsabilidade socioambiental e a qualidade de gestão.

O Dow Jones Sustainability Index, um dos índices de referência mundial na área da sustentabilidade, foi criado em 1999 como o primeiro benchmark do desempenho não-financeiro para empresas cotadas a nível global. A edição deste ano – para a qual foram convidadas a participar 3.467 empresas do S&P Global Broad Market Index –, contou com mais 19% de participações face ao ano anterior. No final, foram selecionadas 324 para integrar o DJSI World. É nesta lista que se incluem a EDP, a Galp e a Jerónimo Martins. Já o BCP faz parte de uma versão alargada deste índice.

Em comunicado, a EDP deu conta que se mantém em 2020 como uma das empresas de energia mais sustentáveis no índice Dow Jones Sustainability Index, isto num ano recorde em participações de empresas de todo o mundo. “É também a única companhia portuguesa no índice há 13 anos consecutivos”, frisou a empresa, que obteve uma pontuação final de 88 pontos (em 100), que a coloca entre as duas melhores utilities integradas do mundo.

“Para o bom posicionamento da empresa contribuíram vários indicadores, entre os quais se destaca a classificação na dimensão ambiental: com 94 pontos, mais um em relação a 2019, a EDP foi a segunda melhor. A empresa melhorou ainda a sua performance no critério de ‘corporate governance’, obtendo mais cinco pontos, e manteve boas avaliações nas vertentes económica e social”, refere o mesmo comunicado.

A EDP foi ainda distinguida como ‘Best in Class’ em dez dos 27 critérios: estratégia de ação climática, gestão de risco de recursos hídricos, reportes ambientais e sociais, gestão da cadeia de fornecimento, cidadania, envolvimento de stakeholders ou direitos humanos, entre outros

“Este novo reconhecimento pelo DJSI, como uma das utilities mais sustentáveis do mundo, vem reforçar que a EDP mantém o rumo alinhado com o desenvolvimento sustentável e o combate às alterações climáticas. É também um incentivo para continuarmos a melhorar as nossas boas práticas ambientais, sociais e de corporate governance, cuja performance voltou a ser valorizada este ano”, comentou Miguel Stilwell de Andrade, presidente executivo interino da EDP. “Enquanto líder da transição energética, a EDP continua a apostar nas energias renováveis e em novas soluções de eficiência energética que contribuam para a descarbonização. E, num momento tão decisivo como o atual, marcado pela emergência climática e pelo impacto de uma pandemia global, esse compromisso é ainda mais relevante para garantir a proteção do ambiente e a criação de valor para os nossos stakeholders e para as gerações futuras”, reforçou.

Por seu lado, a Galp reforçou em 2020 a sua posição como empresa mais sustentável da Europa e terceira melhor do mundo no seu setor de acordo com os critérios do Dow Jones Sustainability Indices (DJSI), disse a petrolífera em comunicado. A empresa lidera pelo terceiro ano consecutivo o Dow Jones Sustainability Indices na Europa no setor Oil & Gas Upstream & Integrated. No DJSI World, a energética portuguesa foi a terceira melhor entre as 59 companhias analisadas.

Além de manter a pontuação global que tinha alcançado na edição anterior deste ranking – ou seja, a melhor de sempre nos nove anos de presença da empresa nestes índices – a Galp conseguiu ainda aumentar o percentil obtido para os 97 pontos.

“Esta distinção evidencia o forte compromisso da Galp com as melhores práticas que são a base da criação de valor sustentável para os nossos stakeholders. O reconhecimento pelo DJSI reforça a importância crítica destas práticas nas nossas atividades”, disse o CEO da Galp Carlos Gomes da Silva.

De acordo com os resultados de 2020 do índice DJSI, a Galp lidera nas categorias de “Materialidade”, “Reporte Ambiental”, “Ecoeficiência Operacional”, “Estratégia Climática”, “Riscos Relacionados com Água”, “Reporte Social” e “Desenvolvimento de Capital Humano.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há apenas quatro empresas portuguesas no Dow Jones Sustainability Index

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião