Portugueses estão a comprar mais nas redes sociais. Roupa e calçado são os produtos mais cobiçados

O comércio eletrónico é uma componente cada vez mais importante das redes sociais e um terço dos utilizadores em Portugal já fazem compras através destas plataformas.

Um terço dos portugueses com perfil nas redes sociais faz compras diretamente nestas plataformas, concliu um estudo da Marktest, que ressalva que isto “confirma a tendência de crescimento destes comportanentos de compra online”.

“A compra de produtos diretamente numa rede social é um hábito já assumido por 33,2% dos portugueses com perfil criado nestas plataformas de comunicação”, destaca a Marktest. A percentagem é um aumento de 3,3 pontos percentuais face a 2019 e o Facebook “é a rede social em que mais portugueses dizem fazer compras”, segundo a empresa de estudos de mercado.

Estes dados do estudo anual “Os Portugueses e as Redes Sociais” surgem numa altura em que a pandemia puxou pelo comércio eletrónico, com os CTT a estimarem, na semana passada, um crescimento do mercado entre 40% e 60% neste ano de 2020.

“Entre os inquiridos que ainda não realizaram compras nas redes sociais, a maior parte justifica essa opção por preferir comprar em lojas ou noutro tipo de sites (22,6%). Um volume semelhante (21,3%) de inquriidos assume, porém, que não compra produtos através das redes sociais por desconfiança/falta de confiança”, destaca a Marktest numa nota de imprensa emitida esta terça-feira.

Os produtos mais comprados nas redes sociais estão a roupa (34%), o calçado (13,4%) e artigos para o lar (9,7%). A maioria dos inquiridos (76,1%) que já compraram através das redes sociais “mostram-se satisfeitos com a sua última experiência de compra”, o valor “mais alto desde 2013”, sublinha a Marktest.

Redes sociais como o Facebook e o Instagram têm apostado nas compras online e, em alguns países, permitem mesmo o check-out e o pagamento diretamente nas aplicações. Recentemente, em Portugal, o Instagram passou a ter uma área específica para lojas online, remetendo diretamente para os sites dos comerciantes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses estão a comprar mais nas redes sociais. Roupa e calçado são os produtos mais cobiçados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião