Google Pay chega a Portugal, mas só nos bancos digitais

O serviço de pagamentos Google Pay passou a estar disponível em Portugal, mas não de forma generalizada. Surge como uma funcionalidade nova nos bancos digitais como Revolut e N26.

O serviço de pagamentos Google Pay passou a estar disponível esta terça-feira em Portugal para os clientes das aplicações de finanças pessoais Bunq, Curve, Monese, N26, Revolut, Transferwise e Viva Wallet. A novidade foi comunicada pela multinacional, que ressalva, no entanto, que tal ainda não significa o lançamento total do Google Pay no país.

O Google Pay é um serviço de pagamentos alternativo, semelhante ao Apple Pay dos iPhones, mas mais focado nos utilizadores do sistema operativo Android. Permite fazer pagamentos contactless nas lojas, bastando para isso aproximar o telemóvel dos terminais de pagamentos que suportem esse tipo de tecnologia, mas também permite fazer pagamentos de compras na internet nos comerciantes que o aceitem.

O Google Pay permite fazer pagamentos com o telemóvel, mesmo nas lojas físicas.Mastercard

A funcionalidade surge, assim, disponível nas próprias aplicações dos bancos digitais já mencionados. “Para adicionar um cartão ao Google Pay, os utilizadores podem aceder à aplicação do seu banco e clicar em ‘Adicionar ao Google Pay’. Assim que o processo de integração estiver concluído, os utilizadores podem começar imediatamente a fazer pagamentos”, explica a Google num comunicado.

“Isto significa que, embora a aplicação Google Pay não esteja disponível em Portugal, os clientes desses bancos vão poder usar o Google Pay online e em quaisquer lojas onde os pagamentos com tecnologia contactless com Visa e Mastercard sejam aceites”, esclarece também a empresa.

Segundo a Google, a tecnologia tem “a segurança” como “elemento essencial”. A empresa pretende que o Google Pay “ajude as pessoas a navegar por este período turbulento”, em que os pagamentos sem contacto têm ganhado expressão como forma de mitigar o risco de contágio pelo toque em superfícies potencialmente contaminadas com o novo coronavírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google Pay chega a Portugal, mas só nos bancos digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião