Juros da dívida portuguesa a 10 anos renovam mínimo histórico nos 0,04%

A yield das obrigações do Tesouro a 10 anos tocaram num novo mínimo histórico, chegando a apenas 0,04% nos mercados internacionais.

Portugal nunca teve juros tão baixos. A yield das obrigações do Tesouro a 10 anos tocaram num novo mínimo histórico, chegando a apenas 0,04% nos mercados internacionais. Taxa está cada vez mais perto de zero.

Os juros a 10 anos seguem em queda, tendo chegado aos 0,040%, um novo mínimo histórico, contra os 0,046% registados na última sessão, acompanhando a tendência verificada nos restantes países da Zona Euro.

O país tem sentido, tal como os outros membros do euro, uma forte pressão compradora na dívida, levado à valorização das obrigações e consequente queda das taxas exigidas pelos investidores.

Apesar da pandemia, que está a provocar uma forte contração da economia, mas também novamente a um défice nas contas públicas que fará aumentar a dívida de Portugal, as taxas têm vindo a cair, estando próximas de zero no prazo a 10 anos e abaixo da “linha de água” nas restantes maturidades.

Portugal conta com juros de -0,669% a dois anos, estando a taxa a cinco anos a negociar nos -0,429%, o que tem permitido fazer baixar o custo da dívida emitida pelo IGCP, liderado por Cristina Casalinho.

Este fenómeno de crise com juros em queda é explicado, em parte, por alguma fuga ao risco do mercado acionista, mas é principalmente resultado da atuação do Banco Central Europeu (BCE).

O BCE lançou uma “bazuca” para ajudar os países do euro a financiarem-se nos mercados de forma a obterem os fundos necessários para as medidas de apoio à economia em plena pandemia.

A “bazuca” de Christine Lagarde tem funcionado. Ainda mantém boa parte da sua capacidade de “fogo” disponível, mas os investidores acreditam que esta poderá ser ainda maior.

A expectativa é de que em dezembro sejam anunciadas novas medidas. Aliás, a presidente do BCE veio agora sinalizar isso mesmo ao afirmar que “abordaremos a atual fase da crise com a mesma abordagem e determinação”, falando na Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu.

Contudo, alerta que a política monetária não irá resolver a crise sozinha, devendo ser complementada com estímulos orçamentais para recuperar as economias que foram duramente afetadas pelo vírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida portuguesa a 10 anos renovam mínimo histórico nos 0,04%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião