Lagarde promete responder à segunda vaga “com força” em dezembro

Presidente do BCE pediu aos líderes europeus que acabem com o impasse em torno do fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros, e desbloqueiem o pacote Next Generation EU "sem demora".

O Banco Central Europeu (BCE) deixou para dezembro o anúncio de novas medidas de estímulo para travar o impacto económico da pandemia. Christine Lagarde promete que o banco central irá responder “com força” à segunda vaga do surto, mas também pediu aos governos para disponibilizarem os apoios orçamentais “sem demora” face aos riscos que representam as novas medidas de restrição.

“Respondemos prontamente e com força à primeira vaga que atingiu as economias da área do euro, concebendo novos instrumentos especificamente adaptados à natureza do choque e recalibrando a nossa carteira bem diversificada de instrumentos existentes”, disse a presidente do BCE esta quinta-feira.

Abordaremos a atual fase da crise com a mesma abordagem e determinação“, prometeu Lagarde, que falava na Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu.

A próxima reunião do conselho de governadores do BCE está agendada para 10 de dezembro, momento em que o banco central deverá alargar as medidas estímulos com mais compras de obrigações e empréstimos baratos aos bancos.

Lagarde considerou, ainda assim, que a política monetária não irá resolver a crise sozinha, devendo ser complementada com estímulos orçamentais para recuperar as economias que foram duramente afetadas pelo vírus.

"Respondemos prontamente e com força à primeira vaga que atingiu as economias da área do euro. (…) Abordaremos a atual fase da crise com a mesma abordagem e determinação.”

Christine Lagarde

Presidente do Banco Central Europeu

Neste sentido, pediu aos líderes europeus que coloquem um ponto final no impasse em torno do fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros, e desbloqueiem o pacote Next Generation EU “sem demora”.

“A economia da Zona Euro deverá ser severamente afetada pelas consequências do rápido aumento das infeções e pelo regresso das medidas de contenção, representando um claro risco de queda para as perspetivas económicas de curto prazo”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde promete responder à segunda vaga “com força” em dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião