Há mais de 600 vagas para trabalhar na Pfizer, uma delas em Lisboa

Há mais de 600 vagas para trabalhar numa das farmacêuticas mais faladas do momento. Em Lisboa procuram um Digital Client Partner para a Irlanda e Portugal.

Uma das farmacêuticas mais faladas do momento está à procura de mais de 600 trabalhadores por todo o mundo. A norte-americana Pfizer está a recrutar engenheiros, cientistas, investigadores, analistas de marketing e muitos outros profissionais. E há ainda uma vaga para Digital Client Partner em Lisboa, que conta já com quase 300 candidaturas.

A meio de uma corrida à vacina contra o coronavírus, a Pfizer continua a precisar de toda a ajuda possível, mesmo já tendo desenvolvido uma vacina 95% eficaz contra o coronavírus. Numa busca pela rede profissional LinkedIn há atualmente 648 ofertas de trabalho. Estados Unidos, Alemanha, Bélgica, Reino Unido, Holanda, Turquia, Hong Kong, Rússia e Singapura são algumas dos países aos quais os interessados se podem candidatar. Há muitos mais.

Mas para quem prefere não sair do país, há uma oportunidade para trabalhar na farmacêutica a partir de Lisboa. A Pfizer está à procura de um Digital Client Partner para Portugal e Irlanda. O anúncio, publicado há 12 dias, já foi visto mais de duas mil vezes e tem já quase 300 candidaturas.

O candidato selecionado vai “fazer parte de uma equipa de negócios” e “apoiar” as operações em Portugal e na Irlanda, colaborando com outras equipas da Pfizer Digital localizadas noutros países. Vai, sobretudo, ser o “ponte de contacto” entre as partes interessadas nos mercados português e irlandês para as questões digitais, aconselhando acerca de tendências digitais da Pfizer, oportunidades e recursos em tecnologia, dados e análises.

Entre os requisitos, o candidato deve ter uma licenciatura ou um mestrado, de preferência em Tecnologia da Informação, Ciências da Computação, Negócios ou Marketing. Deve ainda ser capaz de construir casos de negócios atrativos e “bom conhecimento geral da indústria farmacêutica e de saúde”, bem como dos segmentos de negócios relevantes.

A Pfizer sublinha que este posto de trabalho “pode exigir participação física ou virtual ocasional durante o fim de semana, feriado ou após o horário normal de trabalho”. Além disso, o escolhido poderá ter de viajar. As candidaturas são feitas aqui.

Para além da Pfizer, a parceira alemã BioNTech tem 28 vagas abertas, mas nenhuma em Portugal. O mesmo acontece com a farmacêutica Moderna, que tem mais de 150 ofertas abertas de recrutamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais de 600 vagas para trabalhar na Pfizer, uma delas em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião