Concelhos de maior risco pesam mais de dois terços no poder de compra

  • Lusa
  • 24 Novembro 2020

Os concelhos nos dois escalões de maior risco de Covid-19 representam mais de dois terços do poder de compra de Portugal continental, segundo a Marktest.

Os dois grupos de concelhos de maior risco no mapa do Governo da Covid-19 representam mais de dois terços do poder de compra de Portugal continental, segundo uma análise da Marktest.

“Os dois grupos de concelhos de maior risco representam 38% da área do continente, mas concentram 69% da população total”, indicou a empresa, num comunicado, acrescentando que “69% das empresas estão localizadas nestes concelhos, sendo responsáveis por 80% do Valor Acrescentado Bruto do país e por 75% das exportações”.

A conclusão da Marktest resulta de uma análise “aos dados do mapa de risco da Covid-19, disponibilizado pelo Governo” que mostra, segundo a empresa, “que os dois grupos de concelhos de maior risco concentram 69% da população e 68% do poder de compra no país”, lê-se na mesma nota.

Estes dois grupos de concelhos “detêm ainda 71% dos hospitais, 56% dos lares e 55% dos seus utentes”, segundo a mesma nota, que recorda que o Governo classificou estas regiões em relação ao seu risco tendo por base o peso que o número de novos casos dos últimos 14 dias tem no total da sua população.

“Os últimos dados disponíveis foram publicados no site do Governo, onde são apresentados os 4 grupos de concelhos: risco moderado (65 concelhos), risco elevado (86 concelhos), risco muito elevado (80 concelhos) e risco extremamente elevado (47 concelhos)”, recordou a Marktest, salientando que a lista “será revista e atualizada quinzenalmente”.

A empresa calcula o índice de poder de compra regional desde 1992, com base em “informação indicadora do potencial de rendimento e consumo de cada concelho, nomeadamente a população residente, as receitas fiscais, as vendas de automóveis, os consumos de eletricidade, as dependências bancárias e os estabelecimentos comerciais”, explicou a Marktest.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concelhos de maior risco pesam mais de dois terços no poder de compra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião