5 coisas que vão marcar o dia

Chegou a Black Friday. Esperam-se recordes no comércio, sobretudo o eletrónico. O fim do prazo para candidaturas ao leilão do 5G também promete marcar esta sexta-feira.

O dia é de descontos e promoções em muitas lojas, por ocasião da Black Friday. Mas este ano será diferente: o foco estará no comércio online. É também um dia importante para o setor das telecomunicações, pois termina o prazo para apresentação de candidaturas ao leilão do 5G, a quinta geração de rede móvel de comunicações eletrónicas. Há ainda novos dados económicos para conhecer, num dia que será de menor atividade nas bolsas dos EUA, com uma sessão mais curta do que o habitual, após a folga do Dia de Ação de Graças.

Comerciantes rendem-se à Black Friday

Assinala-se hoje a Black Friday, uma mega campanha de descontos que nasceu nos EUA e tem vindo a ganhar cada vez mais expressão no mercado português. A edição deste ano acontece em pleno estado de emergência, prevendo-se fortes restrições às compras físicas. As imagens de grandes multidões a entrarem nas lojas serão substituídas por consumidores sentados no sofá de casa, a aproveitarem os descontos já anunciados há semanas na generalidade das lojas online. Para as empresas de distribuição de encomendas, esperam-se recordes no volume de pacotes a entregar. Ao longo dos próximos dias e até ao feriado de terça-feira, operadores como CTT Expresso e grupo DPD terão várias centenas de milhares de portas onde bater.

Leilão do 5G entra numa nova fase

As operadoras de telecomunicações, e outras empresas interessadas em explorar serviços de 5G em Portugal, têm até hoje para apresentarem as respetivas candidaturas junto da Anacom. Fica assim concluída a primeira fase do processo que deverá atribuir os direitos de utilização das frequências. O regulador anunciou as condições no início de novembro, mas o processo está sob ameaça de suspensão por várias providências cautelares interpostas por Meo, Nos e Vodafone. Estas não concordam com os benefícios que estão previstos para os chamados “novos entrantes”, um conjunto de medidas desenhadas para atrair uma quarta operadora para o mercado português das comunicações eletrónicas.

Bolsas dos EUA fecham mais cedo

As festividades do Dia de Ação de Graças nos EUA prosseguem esta sexta-feira. Depois de um dia de folga nas bolsas norte-americanas esta quinta-feira, Wall Street arrancará com as negociações à hora normal (14h30 de Lisboa), mas numa sessão mais curta do que o habitual. Os mercados fecharão às 18h00 de Lisboa, três horas antes do habitual, numa sessão que deverá ser marcada por uma liquidez bastante inferior à média. Na Europa, contudo, a sessão decorrerá dentro do período habitual e, em Portugal, os olhos estarão postos nos juros da dívida a 10 anos, que quebraram ontem a barreira dos 0%, cotando pela primeira vez em terreno negativo.

Câmara de Lisboa vota fim do desconto no IMI

A Câmara Municipal de Lisboa vota hoje o orçamento municipal para 2021 e a proposta para acabar com o desconto de 20% no Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI), do qual beneficiam desde 2013 os proprietários que coloquem os imóveis no mercado de arrendamento. O objetivo da autarquia é promover rendas mais acessíveis, por via do Programa Renda Segura, através das quais o município da capital tenciona aplicar uma isenção de 100% sobre este imposto. Mas a medida não satisfaz os proprietários. A Associação Lisbonense de Proprietários é fortemente contra o fim do desconto, considerando-o uma decisão “irrefletida e arbitrária”.

INE divulga indicadores sociais e económicos

O Instituto Nacional de Estatística (INE) tem hoje uma agenda preenchida. Pelas 9h30 está previsto que o organismo divulgue mais uma edição dos inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores, desta vez relativos ao mês de novembro, marcado pelo regresso de Portugal ao estado de emergência. Está também confirmada a publicação do índice de volume de negócios, emprego, remunerações e horas trabalhadas no comércio a retalho, este relativo a outubro. Prevista está ainda a publicação da atualização aos óbitos por semana, numa altura em que continuam a morrer dezenas de pessoas todos os dias vítimas da Covid-19.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião