Bracinha Vieira vai liderar comissão que vigia vendas de ativos do Novo Banco

Comissão que fiscaliza cumprimento do contrato de venda do Novo Banco ao Lone Star vai passar a ser presidido por José Bracinha Vieira a partir do início do próximo ano.

A comissão de acompanhamento do Novo Banco vai sofrer alterações a partir do início do próximo ano. José Bracinha Vieira, atual membro desta comissão, vai passar a presidir ao órgão que fiscaliza o cumprimento do contrato de venda do banco ao Lone Star, ocupando o lugar de José Rodrigues de Jesus.

O Fundo de Resolução adianta ainda que indicou Pedro Miguel Marques e Pereira para vogal nesta comissão. Carlos Miguel de Paula Martins Roballo, que já integra a atual comissão de acompanhamento por indicação do Fundo de Resolução e do Novo Banco, vai continuar para o mandato 2021-2024.

O acordo de capital contingente tem estado no centro da polémica. É por causa dele que o Fundo de Resolução tem sido chamado a compensar o Novo Banco pelas perdas com um conjunto de ativos tóxicos nos últimos anos. Até hoje, já foram injetados cerca de três mil milhões de euros no banco ao abrigo deste acordo, estando ainda disponíveis 900 milhões de euros.

Contudo, os últimos meses trouxeram muitas dúvidas em torno das vendas destes ativos problemáticos realizadas pelo banco, sobretudo por causa das perdas acentuadas que tiveram de ser cobertas pelo Fundo de Resolução. Face a este quadro de suspeitas, o Parlamento pediu ao Tribunal de Contas que faça uma auditoria ao banco.

Entretanto, o Novo Banco já indicou que tenciona fazer novo pedido ao Fundo de Resolução por conta dos prejuízos que vai ter este ano e o Orçamento do Estado para o próximo ano reservou 476 milhões de euros de despesa que o Fundo de Resolução irá ter com o banco. Porém, a Assembleia da República travou esta semana novas injeções até que o Tribunal de Contas apresente resultados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bracinha Vieira vai liderar comissão que vigia vendas de ativos do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião