Cursos com desemprego zero. Nova revista Pessoas já nas bancas

  • Pessoas
  • 27 Novembro 2020

Licenciaturas e mestrados nas áreas tecnológicas e da saúde são os que garantem mais emprego e as escolas públicas são as que mais cursos "desemprego zero" contabilizam.

A 11.ª edição da revista Pessoas já está nas bancas. Os cursos de desemprego zero têm destaque na última edição do ano da publicação: as licenciaturas e mestrados nas áreas tecnológicas e da saúde são os que garantem mais emprego e, por enquanto, são as escolas públicas que têm mais cursos com desemprego zero. No entanto, conta a jornalista Sara Calado, há cada vez menos assimetrias entre o ensino politécnico e o ensino universitário.

Mas há muito mais para ler. Mariana de Araújo Barbosa foi a Braga para contar aos leitores da Pessoas o que viu na sede do dst group, empresa líder nacional de engenharia e construção. Tudo depois de ter escrito que a empresa liderada por José Teixeira estava a dar formação de Filosofia a 350 dos cerca de 2.000 que lá trabalham. “Uma empresa culta é muito mais competitiva”, assegura o engenheiro e gestor em entrevista, depois de ter participado ativamente na elaboração do programa do curso, pensado em parceria com a Católica de Braga. José Teixeira acredita que o contacto com estas formas de arte e cultura provoca e mexe com os seus trabalhadores. E isso contagia clientes e ajuda, crê, o dstgroup a faturar anualmente 450 milhões de euros. Imagine-se, agora, se a cultura ganhasse escala.

A entrevista a Guilherme Machado Dray, que coordena a equipa responsável pelo Livro Verde para o futuro do trabalho, que deverá ser conhecido até ao final do ano, é outro dos destaques desta edição.

O Especial desta edição trata o recrutamento “por tu” e antecipa tendências de um mercado que mudou radicalmente em ano de pandemia. Nesta edição também se conta um pouco mais sobre o Pessoas Awards. A Pessoas já está nas bancas, disponível no seu quiosque habitual. Pode também assinar a publicação aqui.

Capa da edição n.º11 da revista Pessoas, de novembro/dezembro de 2020.D.R.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cursos com desemprego zero. Nova revista Pessoas já nas bancas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião