Governo abre concurso de 40 milhões para a produção de hidrogénio e gases renováveis

O ministro do Ambiente e da Ação Climática garante que "não há renda nenhuma" e que se tratam de apoios ao investimento para a injeção na rede. Incentivo será de 85% até um máximo de cinco milhões.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, revelou que o Governo vai lançar já na primeira quinzena de dezembro, no âmbito do POSEUR, o primeiro aviso para a candidatura a apoios à produção de hidrogénio verde e outros gases renováveis, no valor de 40 milhões de euros. A verba está também inscrita no Plano Recuperação e Resiliência do Governo. No total serão 200 milhões de euros — 40 milhões por ano até 2025 — para incentivar a produção de gases renováveis para injeção na rede nacional.

O Governo espera uma enchente de candidaturas — das Águas de Portugal a projetos de combustível alternativo para aviões — e vai pagar 85% dos investimentos propostos, num máximo de cinco milhões por investimento.

O ministro deu ainda como exemplo os inúmeros projetos de biometano que já é produzido em Portugal e que estava até agora muito limitado, como é o caso dos aterros em Trás-os-Montes que produzem biometano usado já para locomover camiões que fazem a recolha do lixo, mas que estava inibido se ser injetado na rede. “Já alterámos a legislação para tornar isso possível”, disse Matos Fernandes em entrevista ao ECO/Capital Verde no âmbito da conferência “Portugal na Vanguarda do Hidrogénio na Europa”, que irá ser transmitida na íntegra no dia 2 de dezembro no ECO e no Capital Verde.

Vamos lançar este aviso já agora na primeira quinzena de dezembro. Só o pudemos fazer agora porque não estava previsto, teve de haver uma reprogramação. Aproveitamos a pandemia para fazer essa mesma reprogramação. Com as verbas que ainda sobram do POSEUR, que está em fim de vida, podemos lançar este concurso e é o que vamos fazer”, explicou Matos Fernandes.

O ministro frisa que estes “são projetos de menor dimensão”, isto por comparação com os 1,5 mil milhões do H2Sines do consórcio EDP, Galp, REN, Martifer e Vestas, ou os 2,4 mil milhões do projeto da Bondalti para Estarreja.

“Vamos ter muito boas surpresas. Quero acreditar que o grupo Águas de Portugal vai concorrer. No biometano também há muitos projetos. E no que diz respeito aos projetos de combustível alternativo para a aviação que estão a ser desenvolvidos em Portugal também vão aparecer candidaturas. Podem concorrer entidades públicas e privadas. Todos esses projetos, estou mesmo convencido, vão concorrer já a estes 40 milhões do POSEUR”, frisou Matos Fernandes.

Não há aqui renda nenhuma, e muito menos devemos classificar com um adjetivo essa mesma renda. O que há aqui, e um apoio ao investimento só para a cadeia de valor de injeção na rede, porque tem a competição direta do gás natural, para fazer com que quem utilize esses gases e não tem forma de passar para a eletricidade tenha um apoio de forma a não ver a sua competitividade reduzida.

Matos Fernandes

Ministro do Ambiente e da Ação Climática

Além deste primeiro aviso, sobram ainda no Plano de Recuperação e Resiliência 750 milhões para a descarbonização da indústria e, ao longo de dez anos, mais 500 milhões de euros — 50 milhões por ano — para a produção de hidrogénio.

“Nestes primeiros dois anos, se calhar vai ser zero, porque ainda não haverá produção de hidrogénio em 2021 e 2022, talvez só no final de 2022. Isto para garantir que a diferença de preço entre o hidrogénio e o gás natural não é aquela que é hoje. Mas ela vai tender a esbater-se porque a taxação de carbono associada ao gás natural está a crescer e vai crescer. Não há aqui renda nenhuma, e muito menos devemos classificar com um adjetivo essa mesma renda. O que há aqui, e um apoio ao investimento só para a cadeia de valor de injeção na rede, porque tem a competição direta do gás natural, para fazer com que quem utilize esses gases e não tem forma de passar para a eletricidade tenha um apoio de forma a não ver a sua competitividade reduzida. Isto é mesmo cuidar da economia”, rematou o ministro face às inúmeras vozes que criticam a aposta no hidrogénio.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo abre concurso de 40 milhões para a produção de hidrogénio e gases renováveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião