Economia da Zona Euro precisa de mais apoio com segunda vaga, diz FMI

  • Lusa
  • 30 Novembro 2020

FMI reconheceu os problemas financeiros que podem enfrentar as economias mais endividadas da zona euro, como Portugal, Itália ou Espanha, se a recuperação demorar mais do que o esperado.

Os governos da zona euro e o Banco Central Europeu (BCE) devem estender o apoio extraordinário orçamental e monetário para conter os efeitos económicos da segunda vaga da pandemia de Covid-19, considerou esta segunda-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Com a segunda vaga, as políticas orçamentais nacionais provavelmente necessitam de dar um apoio geral por mais tempo do que o inicialmente estimado”, indicou o FMI, na sua revisão da economia da zona euro.

Numa videoconferência de imprensa, a diretora-geral da instituição, Kristalina Georgieva, aplaudiu a “potente” resposta monetária do BCE e o estímulo orçamental “sem precedentes” que ajudaram a amortecer o impacto da crise.

Georgieva salientou, no entanto, que devido aos efeitos da segunda vaga, que obrigou a retomar restrições de mobilidade e confinamentos parciais na União Europeia (UE), é importante “não retirar demasiado depressa” o apoio.

A Comissão Europeu suspendeu temporariamente as regras de disciplina orçamental para que os países possam aumentar a despesa e permitiu ajudas a empresas para evitarem o colapso.

Na sua avaliação, o organismo reconheceu os problemas financeiros que podem enfrentar as economias mais endividadas da zona euro, como Portugal, Itália ou Espanha, se a recuperação demorar mais do que o esperado. “Para alguns países com níveis de dívida já elevados, proporcionar o apoio orçamental necessário e atender às obrigações existentes pode gerar o risco de reações adversas do mercado”, segundo o relatório.

O FMI previu em outubro uma queda da economia da zona euro de 8,3% para este ano.

Para 2021, a instituição prevê uma recuperação moderada na zona euro de 5,2%, apoiada no “enorme e inovador” pacote de recuperação aprovado pela UE no valor de 750.000 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia da Zona Euro precisa de mais apoio com segunda vaga, diz FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião