5 coisas que vão marcar o dia

O arranque do Web Summit, as vendas de carros em novembro e a dívida pública em outubro são alguns dos eventos que vão marcar esta quarta-feira.

O Banco de Portugal divulga esta quarta-feira a evolução da dívida pública em outubro enquanto o Instituto Nacional de Estatística (INE) revela como recuperou o setor dos transportes no terceiro trimestre. Esta quarta-feira arranca também o Web Summit, este ano exclusivamente online. Já no setor automóvel, a ACAP divulga as vendas de carros novos em novembro.

Dívida pública nos 130% do PIB

A dívida pública tem vindo a subir em 2020 por causa da crise pandémica. Apesar de uma redução curta em setembro, a perspetiva é que o stock do endividamento público continue a crescer. Os números relativos a outubro serão divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal. No terceiro trimestre, o rácio da dívida pública fixou-se nos 130% do PIB, acima dos 126,1% registados no segundo trimestre. A previsão do Governo para o conjunto do ano é de 134,8% do PIB.

Arranca o Web Summit, exclusivamente online

A conferência de empreendedorismo e tecnologia, que decorre anualmente em Lisboa, arranca esta quarta-feira. Mas devido à pandemia de Covid-19 vai decorrer exclusivamente online. Uma opção no interesse da saúde pública mas que gerou grande polémica pelo facto de as autoridades portuguesas manterem o investimento anual de 11 milhões de euros relativo à organização da Web Summit. CDS e Bloco de Esquerda já questionaram o Executivo sobre esta obrigatoriedade.

Quanto recuperou a aviação no terceiro trimestre?

Esta questão será respondida esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) no destaque “Atividades de Transporte”. O terceiro trimestre foi de recuperação da economia, incluindo do turismo nacional e pelo menos europeu, com as companhias aéreas a conseguirem retomar alguns voos. Já o segundo trimestre tinha sido de quase total supressão das ligações aéreas: os aeroportos nacionais movimentaram apenas 434 mil passageiros entre abril e maio, o que representava uma queda de 97,4% face ao segundo trimestre de 2019.

ACAP divulga venda de carros novos em novembro

Com novas restrições em vigor por causa da segunda vaga de infeções, questiona-se qual será o impacto deste confinamento parcial para a economia portuguesa. As vendas de carros permitem antecipadamente perceber se os consumidores estão a comprar bens duradouros ou não. A ACAP vai divulgar esta quarta-feira a venda de carros novos em novembro. Até outubro a quebra homóloga acumulada era de 36,3%.

OIT analisa impacto da Covid-19 no mercado de trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulga esta quarta-feira a sua análise à evolução do mercado de trabalho no contexto da pandemia. O relatório analisa em particular as tendências dos salários reais em todo o mundo e por região, incluindo Portugal. A edição de 2020-2021 irá focar-se na relação entre a desigualdade e o salário mínimo assim como os impactos da crise pandémica nos salários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião