Turismo “não recuperou” em setembro e 24% dos alojamentos estavam encerrados

O Instituto Nacional de Estatística (INE) estima que a atividade turística em Portugal "não recuperou em setembro", em resultado da propagação do novo coronavírus na Europa.

A atividade turística em Portugal “não recuperou em setembro”. A estimativa rápida do INE mostra que, no mês passado, o setor deverá ter registado 1,4 milhões de hóspedes e 3,6 milhões de dormidas, números que representam quebras homólogas de 52,2% e 53,4%, respetivamente.

Os dados apontam para um agravamento face ao observado em agosto, mês em que o número de hóspedes estava 43,2% abaixo do nível do ano anterior, e em que foram registadas menos 47,1% de dormidas face ao mês homólogo. Isto acontece num mês marcado pelo regresso das férias, em que os números diários de novas infeções por Covid-19 voltaram a subir para níveis recorde na Europa.

“Em setembro, 24,3% dos estabelecimentos de alojamento turístico terão estado encerrados, ou não registaram movimento de hóspedes”, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE), numa nota publicada esta quinta-feira. É também um agravamento face aos 21,2% registados em agosto.

Dormidas nos estabelecimentos de alojamento turístico por região:

Fonte: INE

“As dormidas de residentes terão diminuído 8,5%, atingindo dois milhões, representando 57,2% do total, enquanto as de não residentes terão decrescido 71,9%, situando-se em 1,5 milhões. Os hóspedes residentes terão sido 890,3 mil, o que se traduz num decréscimo de 15,1% e os hóspedes não residentes terão atingido um total de 492,7 mil, recuando 73,3%”, sublinha o destaque do INE.

O instituto refere ainda que o Alentejo “terá continuado a representar a menor diminuição no número de dormidas” (-19,9%), sendo “ainda de salientar os crescimentos nas dormidas de residentes no Algarve (+10,3%) e Alentejo (+5,2%)”.

“A totalidade dos principais mercados emissores manteve decréscimos expressivos em setembro, superiores a 50%”, destaca, por fim, o INE. As principais quedas registam-se nos países de origem EUA, Canadá e China.

Variação das dormidas nos estabelecimentos de alojamento turístico por país de residência:

Fonte: INE

(Notícia atualizada pela última vez às 11h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo “não recuperou” em setembro e 24% dos alojamentos estavam encerrados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião