easyJet vai cobrar taxa pelas malas nos cacifos por cima dos assentos

Taxa começa a ser aplicada a partir de 10 de fevereiro do próximo ano.

A easyJet vai passar a cobrar uma taxa extra aos passageiros que coloquem bagagem nos cacifos por cima dos assentos. Passageiros que embarquem com as tarifas normais só poderão, a partir de 10 de fevereiro, levar consigo uma pequena mala a bordo se esta couber debaixo do assento, de acordo com o The Guardian (acesso livre).

A decisão da companhia low cost provocou críticas por parte de passageiros, mas a companhia alega que esta nova taxa é para benefício dos passageiros, para “melhorar o embarque e a pontualidade”. O responsável comercial e de clientes da easyJet, Robert Carey, afirmou que “a pontualidade é importante para os nossos clientes e sabemos que, se tiverem as suas malas colocadas no porão na porta de embarque devido ao espaço limitado a bordo, isto pode causar atrasos de voo e pode ser frustrante para eles também”.

De acordo com a nova política, os passageiros que queiram viajar com uma mala como bagagem de mão devem pagar uma taxa extra, que lhes permitirá selecionar um lugar perto da frente do avião ou com espaço extra para as pernas. A easyJet disse que este “pacote” estaria disponível a partir de 7,99 libras (6,5 euros), mas o preço pode variar até 24 libras (20 euros) por cada viagem.

Esta nova taxa não se aplica a tarifas “Flexi”, as mais elevadas, e a clientes frequentes da companhia aérea. Nestes casos continuam a ser autorizados a levar a bordo uma bagagem de mão pequena e uma bagagem de mão grande.

A easyJet está a ser brutalmente afetada pela pandemia. Entre janeiro e setembro registou prejuízos de 1.273 milhões de libras (1.418,69 milhões de euros), e registou um quebra de 50% no número de passageiros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

easyJet vai cobrar taxa pelas malas nos cacifos por cima dos assentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião