“Negócios mais sustentáveis têm mais sucesso”, lembra CEO da Accenture

A pandemia não adiou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Por outro lado, reforçou a urgência de um futuro mais sustentável, onde os líderes de todos os setores têm um papel a cumprir.

2020 foi designada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, como a “Década de Ação”, para promover a Agenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Oradoras no segundo dia do Web Summit, Julie Sweet, CEO da Accenture, e Sanda Ojiambo, diretora executiva da UN Global Compact, reiteram que a pandemia veio expor fragilidades mas não adiou a urgência de se alcançarem todos os desafios lançados pelas Nações Unidas em 2015. A tecnologia pode ajudar a caminhar para um futuro mais sustentável, que se deve fazer em conjunto e que pode começar dentro de cada organização.

“Está muito em jogo, mas também vejo muito otimismo, porque ainda temos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável como um início para nos fazer seguir em frente. Aquilo que fazemos deve estar nas estratégias base das empresas. Não importa que seja uma pequena empresa ou uma grande empresa, há sempre algo que se pode fazer por um futuro mais sustentável “, sublinhou Sanda Ojiambo, diretora executiva da UN Global Compact.

Julie Sweet, CEO da Accenture, acredita que a pandemia veio reforçar a necessidade das empresas do setor privado se unirem para atingir os objetivos propostos pela ONU, e não só.

“Desde a pandemia, vimos o setor privado mudar e focar-se. Por exemplo, vimos as empresas farmacêuticas que se juntaram para resolver a vacina, para partilhar informação de uma forma que nunca tinham feito antes”, sublinhou a responsável.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas são 17 e foram designados em 2015, abordando áreas como a eliminação da pobreza, apoiar a agricultura, acesso a cuidados de saúde, combate às desigualdades de género ou a promoção de políticas mais sustentáveis dentro das empresas.

Julie Sweet lembrou ainda a forma como a pandemia piorou a situação já frágil da fatia de população que sofre de desigualdades. No entanto, acredita, o tempo que vivemos é uma “oportunidade de alcançar os objetivos” com ajuda da tecnologia e da transformação digital. A responsável deu o exemplo da redução da pegada ecológica, através da migração para a cloud e ainda a possibilidade de combater problemas como a corrupção ou o trabalho infantil.

“Uma das coisas mais importantes que temos de fazer enquanto líderes de empresas é fazer a seguinte pergunta em todos os processos de transformação em curso: podemos concretizá-lo de forma a que ajude a atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável?“, exemplificou a CEO da Accenture, que lembrou que ser sustentável pode dar lucro.

“Há evidências reais que negócios com práticas mais sustentáveis, têm mais sucesso”, acrescentou.

“Qual é o nosso limite? Continuo em 2030, acho que continuamos a precisar de fazer com que resulte. Queremos unir o mundo inteiro à volta destes objetivos, porque acreditamos que vão conduzir-nos a um mundo melhor”, rematou Sanda Ojiamb.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Negócios mais sustentáveis têm mais sucesso”, lembra CEO da Accenture

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião