Mais de 3.500 lisboetas pediram “cheques” para comprar bicicletas. CML estende apoios até fim do ano

A Câmara de Lisboa recebeu em quatro meses 3.643 candidaturas aos apoios para aquisição de bicicleta. Programa é estendido até 31 de dezembro.

Devido à elevada adesão que os últimos quatro meses demonstraram, a Câmara de Lisboa (CML) vai continuar a apoiar os cidadãos na compra de uma bicicleta. Assim, são elegíveis a estes “cheques” as compras feitas até 31 de dezembro de 2020, sendo que as candidaturas irão abrir no início de 2021.

A autarquia lisboeta começou em agosto a apoiar os cidadãos na compra de uma bicicleta, oferecendo “cheques” que cobrem uma parte do custo, para compras feitas desde 3 de junho nas lojas físicas do concelho de Lisboa. Desde que as candidaturas abriram, a 3 de agosto, e até ao passado dia 2 de dezembro, a CML já recebeu 3.643 pedidos de apoios, “alguns dos quais ainda em fase de análise”, refere, em comunicado.

Face ao elevado número de pedidos recebidos, Fernando Medina decidiu estender estes apoios, incluindo as compras de bicicletas feitas até 31 de dezembro, inclusive. A plataforma para submeter os pedidos abrirá no início do próximo ano, sendo que “o programa deverá ser renovado para 2021, com novo alcance e abrangência”, diz a autarquia.

Este programa destina-se aos residentes e trabalhadores no concelho de Lisboa e estudantes do primeiro ciclo do ensino superior. No caso das bicicletas convencionais, a CML vai reembolsar em 50% até ao máximo de 100 euros, enquanto nas bicicletas adaptadas convencionais o reembolso sobe para 75% até ao máximo de 200 euros.

Por sua vez, quem comprar uma bicicleta elétrica receberá 50% do valor até ao máximo de 350 euros (75% até máximo de 500 euros nas bicicletas elétricas adaptadas). Quanto às bicicletas de carga, o município reembolsará com 50% do valor, até ao máximo de 500 euros.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Mais de 3.500 lisboetas pediram “cheques” para comprar bicicletas. CML estende apoios até fim do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião