Amazon torna-se no maior comprador do mundo de energia renovável

A empresa anunciou esta semana a aquisição de 26 novos projetos de energia eólica e solar (num total de 3,4 GW) na Austrália, França, Alemanha, Itália, África do Sul, Suécia, Reino Unido e EUA.

A Amazon acaba de se tornar na maior compradora empresarial de energia renovável de sempre, no mundo, assumindo o compromisso de ser neutra em carbono até 2040. A empresa anunciou esta semana a aquisição de 26 novos projetos de energia eólica e solar (num total de 3,4 GW) na Austrália, França, Alemanha, Itália, África do Sul, Suécia, Reino Unido e EUA, elevando o número total de projetos de energia renovável da Amazon para 127.

Em 2020 a Amazon já investiu em 35 projetos de energia renovável e mais de 4 GW de capacidade — o maior investimento empresarial em eletricidade verde num único ano. Este anúncio da Amazon é 270% maior do que o maior anúncio de aquisição empresarial por parte de um único comprador feito até o momento.

Até agora, a Amazon já investiu em 6,5 GW de projetos eólicos e solares que permitirão à empresa fornecer às suas operações mais de 18 milhões de MWh de energia renovável anualmente, o suficiente para abastecer 1,7 milhão de casas nos Estados Unidos durante um ano. Os projetos fornecerão energia renovável aos escritórios, centros de atendimento e data centers da Amazon Web Services, que atendem milhões de clientes em todo o mundo.

“A Amazon está a ajudar a combater as alterações climáticas agindo rapidamente para fornecer energia renovável a todos os nossos negócios”, disse Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, acrescentando: “Com um total de 127 projetos solares e eólicos, a Amazon é agora o maior comprador empresarial de energia renovável de todos os tempos. Estamos no caminho de abastecer 100% das nossas operações com energia renovável até 2025 – cinco anos antes da meta original de 2030. Esta é apenas uma das muitas etapas que nos ajudarão a cumprir o nosso compromisso com o clima”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amazon torna-se no maior comprador do mundo de energia renovável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião