“Esta recuperação económica, a que chamamos verde, vai ser feita pelas empresas”

A recuperação verde da economia num cenário pós-pandémico esteve em debate no terceiro painel do Green Economy Forum 2020, do ECO/Capital Verde, que contou com a EY, CTT e Volkswagen.

Com a recuperação económica na ordem do dia, as empresas são cada vez mais chamadas a agir como um “ator fundamental”, sobretudo em Portugal, onde as PME têm um papel decisivo.

“Esta recuperação, a que chamamos verde porque vamos tentar fazer as coisas de forma diferente em relação ao passado, com um alinhamento das estratégias de valor das empresas com a geração de valor para os acionistas e os stakeholders, vai ser feita pelas empresas, que serão parte da solução”, disse Bernardo Augusto, manager da EY, no painel sobre Recuperação Verde da Economia do Green Economy Forum 2020, do ECO/Capital Verde.

Assista aqui ao painel sobre Recuperação Verde da Economia pós-pandemia

Nos últimos meses, a consultora tem levado a cabo com o BCSD Portugal um mapeamento das oportunidades de financiamento sustentável para as empresas nacionais.

Miguel Salema Garção, diretor de comunicação e sustentabilidade dos CTT, garante que a empresa está a “trabalhar com clientes e parceiros para avançarem todos de forma mais rápida para contribuir para a sustentabilidade”, apesar de estarem alinhados e a caminharem na mesma direção.

“Hoje em dia já é o mercado e os clientes que exigem às marcas uma oferta de produtos sustentáveis de A a Z na sua cadeia de valor, com os CTT a garantirem emissões zero na parte da entrega ao cliente. Depois do projeto-piloto em Lisboa com uma marca de cápsulas de café, vamos expandir as entregas verdes para o Porto e pretendemos alargar a mais cidades portuguesas”, afirma Salema Garção.

Do lado da mobilidade elétrica, Ricardo Tomaz, diretor de marketing estratégico e relações externas da SIVA, deu conta das principais metas da Volkswagen: em 2025 atingirá a neutralidade carbónica e daqui a dez anos 70 a 80% dos carros do Grupo serão elétricos. E mais: vai investir 35 mil milhões em carros elétricos em cinco e mais 11 mil milhões em híbridos.” Esperamos que seja este o caminho, e acreditamos que é”, disse.

“É uma revolução total da mobilidade que se prepara. Se há indústria que mudou nos últimos dois anos e ainda vai mudar mais nos próximos dez, é a automóvel, porque é uma disrupção total face ao passado. O futuro é elétrico”, frisa Ricardo Tomaz.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Esta recuperação económica, a que chamamos verde, vai ser feita pelas empresas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião