Governo quer reconversão de trabalhadores das centrais de carvão para a transição energética

Na abertura do Green Economy Forum 2020, do ECO/Capital Verde, Galamba revelou que o Governo quer apostar na formação de profissionais para o setor energético do futuro, com salários mais elevados.

O Governo vai lançar um programa de formação profissional específico para a transição energética, tendo em conta os mega investimentos a realizar no setor energético do futuro que em vez do petróleo e gás importado será baseado em recursos renováveis endógenos e nas suas respetivas necessidades de formação, revelou João Galamba, secretário de Estado Adjunto e da Energia na abertura do Green Economy Forum 2020, organizado pelo ECO/Capital Verde.

Veja aqui a sessão de abertura do Green Economy Forum 2020

“Estamos [o Ministério do Ambiente e da Ação Climática] já a trabalhar com o Ministério do Trabalho. Se as coisas forem bem feitas, pode haver boas notícias para os trabalhadores. Não estamos só a falar de volume de emprego, mas de potencial qualitativo e até de aumento de salários”, disse Galamba.

“O setor energético, todo ele, no passado, era dependente de importações, com margens de lucro menores em Portugal porque parte da rentabilidade da cadeia de valor ficava nos países produtores de petróleo e gás. Agora, com a substituição por um recurso endógeno renovável o valor acrescentado bruto pode aumentar significativamente e isso é uma boa notícia para todos. Significa que é melhor a distribuição entre lucros e salários. Os cenários para os trabalhadores são melhores do que no passado”, explicou o secretário de Estado, garantindo que “a questão da reconversão dos trabalhadores das centrais a carvão que vão fechar em 2021 é prioritária”.

Galamba falou ainda do tema do momento — o hidrogénio verde –, da importância e das vantagens de Portugal estar na linha da frente na Europa, com vários projetos portugueses de hidrogénio já na corrida aos milhões de financiamento de Bruxelas.

Primeiro momento de debate anual ECO/Capital Verde

A poucas semanas de completar um ano de vida, e tendo-se já afirmado ao longo dos últimos meses como uma plataforma de referência nas áreas da Economia Verde e das Finanças Sustentáveis, o ECO/Capital Verde realiza o Green Economy Forum 2020.

Em cima da mesa nesta conferência estarão três grandes temas: Finanças Sustentáveis, Transição Energética e Recuperação Verde da Economia pós-pandemia. Vamos olhar já para 2021 tendo em mente o objetivo de alcançar uma economia verde e sustentável, dando voz e amplificando a mensagem dos principais players: Governo, bancos e empresas.

O Green Economy Forum 2020 conta com o apoio de CTT, EDP, EY, Millennium bcp, REN, Santander, SuperBock Group e Volkswagen, e poderá ser acompanhado online nos sites do ECO e Capital Verde.

Veja aqui o programa do Green Economy Forum 2020

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer reconversão de trabalhadores das centrais de carvão para a transição energética

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião