Qual o preço de uma refeição Michelin em Portugal?

  • Rita Robalo Rosa
  • 20 Dezembro 2020

Estes restaurantes são considerados o topo da restauração, com preços muitas vezes inatingíveis. Os menus de degustação passam, muitas vezes, as centenas de euros.

Na passada segunda-feira, dois novos restaurantes portugueses conquistaram as suas primeiras estrelas Michelin, havendo agora um total de 28 restaurantes no guia da elite gastronómica. Estes restaurantes são considerados o topo da restauração, com preços muitas vezes inatingíveis. Quanto custa, afinal, ir a um restaurante com estrela Michelin em Portugal?

O Eneko Lisboa foi um dos premiados na noite de segunda-feira. O restaurante, de Eneko Atxa, tem como chefe residente Lucas Bernardes e situa-se no antigo Alcântara Café. Nele temos dois menus de degustação à escolha: Erroak e Adarrak.

O primeiro menu tem um custo de 110 euros e conta com três entradas, seis pratos principais e duas sobremesas. Já o segundo menu tem um custo de 125 euros, com mais um prato principal que o primeiro. Erroak e Adarrak encarecem se escolher harmonização de vinho, passando a 185 e 210 euros respetivamente.

O restaurante não está, de momento, aberto. Porém, o gabinete de comunicação do Eneko disse ao Público que o restaurante deverá reabrir a 3 de março.

O 100 Maneiras de Ljubomir Stanisic, no Bairro Alto, também ganhou a sua primeira estrela Michelin. Encontramos, igualmente, menus de degustação. Estes situam-se entre os 90 e os 125 euros. Há ainda um menu especial para a passagem de ano, com um custo de 250 euros.

Contudo, pode-se experimentar a cozinha de Ljubomir também no Bistro 100 Maneiras, onde pode comer à carta. Aqui os pratos principais vão dos 21 aos 49 euros (este último, para duas pessoas). Também no ano novo poderá experimentar vários pratos no Bistro, pelo valor de 190 euros.

Para fazer face às dificuldades económicas provocadas pela pandemia de Covid-19, o 100 Maneiras lançou o “100 Maneiras 2 GO”, um serviço take away. Neste serviço o prato mais caro tem um custo de 22 euros.

E nos restaurantes com duas estrelas Michelin?

Este ano nenhum restaurante português levou para a casa a segunda estrela Michelin. Porém, no país são já sete os restaurantes premiados duplamente: Casa de Chá da Boa Nova de Rui Paula, em Leça da Palmeira; The Yeatman de Ricardo Costa, em Vila Nova de Gaia; Alma de Henrique Sá Pessoa, em Lisboa; Belcanto de José Avillez, em Lisboa; Ocean de Hans Neuner, em Alporchinhos; Vila Joya de Dieter Koschina, em Albufeira; e Il Gallo d’Oro de Benoît Sinthon, no Funchal.

No Vila Joya, segundo o Guia Michelin disponível online, os preços situam-se entre os 110 e os 195 euros. O restaurante encontra-se encerrado até à primavera do próximo ano, de acordo com informação disponibilizada no site.

No Casa de Chá da Boa Nova os menus de degustação custam entre 90 e 190 euros. Mas o restaurante de Rui Paula tem também uma opção à carta, em que o prato mais caro é 45 euros. Também o The Yeatman conta com um menu de degustação sazonal fixo, com oito a 10 pratos, com o valor de 170 euros por pessoa.

Os menus de degustação são prática habitual nestes restaurantes. No espaço de Sá Pessoa, estes menus têm um custo entre os 75 e os 120 euros. Já no restaurante de Avillez os preços variam entre os 165 e os 185 euros. Em ambos os restaurantes pode-se também comer à carta. No primeiro o prato principal mais dispendioso tem um custo de 40 euros e no segundo todos os pratos principais têm um valor de 49,50 euros.

Os restaurantes com os menus de degustação com valores mais elevados encontram-se em Alporcinhos e no Funchal. No Ocean tem um custo de 195 euros. Já no Il Gallo d’Oro, os menus de degustação custam entre 130 e 245 euros. Este último tem também a opção a la carte, onde o prato mais caro é 69,50 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual o preço de uma refeição Michelin em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião