Chef Michelin reúne pequenos produtores portugueses e mostra de que Matéria são feitos

O chef João Rodrigues percorreu o país à procura do melhor que se produz em território nacional. Agora, partilha o que conheceu - e vai aprendendo - sobre dezenas de pequenos produtores.

O projeto Matéria em Trás-os-Montes.D.R.

Produtor a produtor, percorrendo Portugal de lés-a-lés. Em 2015, o chef João Rodrigues andava à procura de uma identidade própria para o que estava a fazer no seu restaurante Feitoria: queria uma filosofia ligada às origens e ao que de melhor se faz no país. No entanto, de cada vez que queria um ingrediente para o qual não tinha fornecedor, ligava a um colega chef para lhe pedir contactos, uma atitude comum entre os colegas de profissão. A ideia do Projeto Matéria “começou por ser essa necessidade profissional”, conta ao ECO.

“Para a sustentar de uma forma mais verdadeira teria de usar produtos portugueses, pequenos produtores, gente apaixonada por aquilo que faz, com discurso muito próprio. Liguei a vários chefs amigos espalhados pelo país e, embora todos eles tenham produtores locais, havia um problema comum: a falta de conhecimento e falhas de logística”, explica ao ECO.

Percebeu rapidamente que havia um “campo em pousio”: queria produtos e conhecer quem os produzia mas essas pessoas, espalhadas um pouco por todo o país, não estavam ligadas, nem umas às outras nem às oportunidades do mercado.

Construir o Matéria foi isso mesmo: poder listar, visitar, conhecer e partilhar quem são, onde estão e o que têm estes pequenos produtores de especial, que os distinguem de outros e que fazem deles exemplares no país, pelas boas práticas de produção. Tudo para, através dessa espécie de “inventário”, poder construir não só uma lista de produtores para o seu restaurante como partilhá-la com outros chefs e consumidores privados.

“Os chefs locais usavam muito produto local, mas estes são uma panóplia de produtos muito pequena. Havia muitas dificuldades, tanto na divulgação como na colocação desse produto. Daí a ideia do projeto”, conta. João começou a fazer os primeiros contactos e, desses, foram surgindo mais. Por isso, o Feitoria foi crescendo à medida que havia mais Matéria, produtor a produtor, produto a produto.

 

“Foi fácil de perceber que existe um discurso muito igual de norte a sul, que refere um pouco as mesmas dificuldades: a primeira é a sobrevivência, uma questão absolutamente transversal a todos eles, pequenos produtores. Há muito para fazer em termos de políticas, depois problemas logísticos e, finalmente, uma grande componente de resiliência”, sublinha João Rodrigues. Quanto a aprendizagens, o chef destaca outra que lhe ficou clara: “uma descoberta do país, multifacetada e diferenciada”.

O conceito do Matéria surge em 2016, com a ideia simples de aproximar as pessoas que vinham ao restaurante com a origem dos produtos. “Levávamos os produtos à mesa, contávamos as suas histórias, construímos um mapa de produtores que ajudava a uma aproximação imediata com o país e com as diferentes regiões”, recorda o chef do restaurante com uma estrela Michelin.

Projeto Matéria é uma viagem por Portugal em produtores locais.D.R.

“A ideia foi sempre evoluindo”, assinala João Rodrigues. “Com o site do Matéria, entrámos numa segunda fase do projeto”. Disponível em março, resume a informação recolhida nas viagens feitas ao longo de quatro anos, partilha contactos dos produtos e cataloga produtos um pouco por todo o país.

Hoje, além de ter criado uma ferramenta de trabalho e de partilha para uma comunidade, toda a gente com interesse em gastronomia pode participar no projeto, sejam chefs, produtores e consumidores. E como se trata de Matéria “em construção”, qualquer pessoa pode contribuir. O campo “participe”, disponível no site, permite que toda a gente que queira possa propor produtores que façam “valer a pena a viagem”.

“Fazemos visitas, vemos, falamos, entendemos se, de facto, o produtor está alinhado com aquilo que o nosso projeto defende e, no final, podemos adicioná-lo”, exemplifica o chef. Com mais de uma centena de visitas por agendar, o site do Matéria já é “catálogo” de várias dezenas de pequenos produtores nacionais.

Partilhando contactos e localização geográfica, o Matéria está empenhado em gerar interesse orgânico: aproximar a cadeia para que todos os que assim queiram possam aproximar-se dos produtores e, com isso, divulgar os seus produtos e fazer crescer os seus negócios. Sem nunca esquecer o foco: é uma associação sem fins lucrativos, e não um agente de comercialização.

Fazemos visitas, vemos, falamos, entendemos se, de facto, o produtor está alinhado com aquilo que o nosso projeto defende e, no final, podemos adicioná-lo.

João Rodrigues

Chef restaurante Feitoria

Depois de 120 visitas e de cerca de seis dezenas de produtores listados no site do Matéria, o projeto tem mais de uma centena de visitas a novos produtores agendadas. “É uma tarefa que acaba por ser um trabalho de vida. Será muito orgânico, porque uns acabarão, é quase um serviço público, não está nos meus planos sermos nós a fazer esse caminho, poderemos estar associados a outros projetos, mas sempre numa perspetiva de curadoria, já começamos a ter muitos pedidos de vários tipos de negócio, a dizer que gostavam de estar associados aos produtores Matéria, mas nunca tem esse ânimo.

A acompanhar o chef as suas viagens pelo país está a mulher, Vânia Rodrigues, que coordena a logística do site. O Matéria foi desenvolvido durante muito tempo apenas com capitais próprios e, agora, o projeto conseguiu o apoio da ICEL, do Turismo de Portugal e da UNESCO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chef Michelin reúne pequenos produtores portugueses e mostra de que Matéria são feitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião