CDS acusa Pedro Nuno Santos de gestão “desastrada” do caso dos salários da TAP

  • Lusa
  • 30 Dezembro 2020

Para o centrista Miguel Barbosa, é "inaceitável e inoportuno" que a "questão da remuneração dos órgãos de gestão" da TAP "se coloque" quando a empresa se prepara para despedir trabalhadores.

O CDS considerou esta quarta-feira que “a remuneração da gestão de topo” na TAP é reveladora “do desnorte e da crise de ansiedade que se instalou” na transportadora aérea e exigiu que o ministro da tutela “arrepie caminho” na reestruturação. Em comunicado, o vice-presidente do CDS Miguel Barbosa acusa o Governo, e em particular o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, de gerir “a questão da TAP de forma desastrada e nebulosa”.

“O mais recente da triste série de episódios disparatados – a remuneração da gestão de topo – é especialmente revelador do desnorte e da crise de ansiedade que se instalou em torno da TAP”, sustenta.

Na segunda-feira, o ECO avançou que três membros da administração da companhia aérea viram os salários aumentados, com o aval do Governo, incluindo o presidente executivo e o presidente do Conselho de Administração. No dia seguinte, o presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, anunciou que abdicou do acréscimo salarial de que usufruiu a partir da saída de Humberto Pedrosa, porque quer continuar a fazer parte das negociações sobre o futuro da companhia.

O Ministério das Infraestruturas assegurou, por sua vez, que a TAP “não teve qualquer acréscimo de custos salariais” com os administradores, adiantando que os encargos com o Conselho de Administração caíram 33% “em termos brutos” desde março.

Para o centrista Miguel Barbosa, é “inaceitável e inoportuno” que a “questão da remuneração dos órgãos de gestão” da TAP “se coloque” quando a empresa “se prepara para despedir uma parte considerável da sua força de trabalho, e em que os contribuintes são chamados para a socorrer”. Segundo o CDS, o ministro Pedro Nuno Santos, que “representa o interesse coletivo” na TAP, “não pode tentar distanciar-se” desta questão.

No comunicado, o CDS exige que o titular da pasta das Infraestruturas, que tutela a TAP, “arrepie rapidamente caminho de forma a evitar mais um negócio ruinoso”, apontando “falta de transparência” ao plano de reestruturação da companhia, apresentado “sem o suporte de estudos e dados” e “sem discussão das alternativas”.

O plano de reestruturação da TAP, entregue em Bruxelas este mês, prevê a suspensão dos acordos de empresa, medida sem a qual, de acordo com o ministro Pedro Nuno Santos, não seria possível fazer a reestruturação da transportadora aérea.

O documento entregue à Comissão Europeia prevê o despedimento de 500 pilotos, 750 tripulantes de cabine, 450 trabalhadores da manutenção e engenharia e 250 das restantes áreas. O plano prevê, ainda, a redução de 25% da massa salarial do grupo (30% no caso dos órgãos sociais) e do número de aviões que compõem a frota da companhia, de 108 para 88 aviões comerciais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CDS acusa Pedro Nuno Santos de gestão “desastrada” do caso dos salários da TAP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião