João Massano sai da ATMJ e avança para escritório próprio

Após 16 anos na sociedade de advogados ATMJ, que fundou, em 2004, com António Jaime Martins, Teresa Duarte e Miguel Resende, João Massano decidiu dar início a um novo projeto.

Após 16 anos na sociedade de advogados ATMJ, que fundou, em 2004, com António Jaime Martins, Teresa Duarte e Miguel Resende, João Massano decidiu dar início a um novo projeto, em nome próprio, como advogado em prática individual.

Esta decisão vem ao encontro da vontade do advogado de “explorar outras abordagens da profissão, de autonomizar a sua prática e de melhor conciliar o seu trabalho com a experiência e o contacto com a classe que vem ganhando desde que, há cerca de um ano, foi eleito presidente do Conselho Regional de Lisboa (CRL) da Ordem dos Advogados”, explica.

Nascida da cisão duma sociedade de advogados criada (1995) e sedeada em Lisboa, a ATMJ teve quatro advogados fundadores que levaram para o novo escritório a mais-valia de uma equipa com mais de seis anos de trabalho em conjunto.

Nesse percurso a quatro João Massano dedicou-se aos setores imobiliário e societário, exercendo prática, nomeadamente, nas áreas de Direito do Trabalho, Direito Comercial, Direito Civil e Direito dos Estrangeiros.

O ex-sócio da ATMJ é advogado desde 1994, ano em que concluiu a licenciatura, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL). Mestre em Direito (Ciências Jurídico-Empresariais) desde 2006 (FDUL), manteve carreira académica durante cerca de 17 anos, como docente universitário na FDUL, na Universidade Lusófona e na Universidade Moderna.

Atualmente preside ao Conselho Regional de Lisboa (foi eleito em novembro de 2019), um órgão da Ordem dos Advogados ao qual está ligado desde 2011. Começou como vogal-tesoureiro do Conselho Distrital de Lisboa da OA (triénio 2011-2013 e nos dois mandatos seguintes) e, também, como vice-presidente, responsável pelo pelouro da Formação (triénios 2014-2016 e 2017-2019).

O advogado tem trabalhos publicados nas áreas do Direito do Trabalho, Direito Comercial e Direito Comunitário, é conferencista nas áreas do Direito do Trabalho, Direito dos Seguros e Direito Comercial e publica regularmente na imprensa portuguesa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

João Massano sai da ATMJ e avança para escritório próprio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião