GoParity triplicou o investimento por privados em sustentabilidade só em 2020

Os utilizadores da GoParity investiram quase 3,9 milhões de euros em projetos de impacto social e ambiental positivo. Desde 2017, o investimento em projetos de sustentabilidade triplicou.

Go Parity, plataforma de investimento que promove projetos sustentáveis facilitando o acesso a novas oportunidades éticas.
Casa do Impacto, Lisboa.

A GoParity, fintech para investimentos sustentáveis, triplicou o valor investido para criação de impacto social e ambiental positivo, em três anos de atividade. No último ano, os mais de nove mil utilizadores da GoParity investiram quase 3,9 milhões de euros em projetos de saúde, educação, agricultura sustentável, fábricas em transição, moda ecológica, mobilidade elétrica, energias renováveis, emprego e economia do mar, num total de 67 projetos sustentáveis, em cinco países diferentes. Só em 2020, foram investidos dois milhões de euros.

A fintech foi fundada em 2017, mas foi durante o ano passado que deu o maior salto. Em apenas um ano duplicou o número de projetos disponíveis na plataforma para investimento, de 32 no final de 2019 para 66 em dezembro de 2020. O número de investidores também acompanhou a tendência: há um ano eram 4.800 os registados, e hoje contam-se mais de nove mil.

A comunidade de investidores investiu, só em 2020, 2,1 milhões de euros, em comparação com os 1,7 milhões de euros investidos nos dois anos anteriores juntos. Só no último trimestre de 2020, o montante de investimento superou todo o investimento de 2019.

“2020, que prometia ser o ano da sustentabilidade, acabou por ser o ano da pandemia. Isso amenizou o clima de investimento na primeira metade do ano, mas despertou muitas consciências em relação à forma como nos relacionamos com o planeta e com os outros e também em relação ao papel ativo que podemos ter como cidadãos, mesmo nas escolhas que fazemos enquanto consumidores. A necessidade tornou-se ainda mais evidente e muitas pessoas e empresas responderam”, sublinha Nuno Brito Jorge, fundador e CEO da GoParity, em comunicado.

Cerca de 20% desta comunidade de investidores são mulheres e estão representadas 53 nacionalidades: Portugal, França, Itália, Brasil, Alemanha, Reino Unido, Espanha, Suíça, Suécia e Países Baixos são os países de origem mais relevantes em volume de investimento. Portugal, Espanha, Itália, Brasil e Alemanha representam a maior fatia de número de investidores. Dos quase 3,9 milhões de euros investidos por esta comunidade, mais de 715 mil euros já foram devolvidos.

Para além do retorno financeiro, a GoParity dedica-se a medir o impacto social e ambiental positivo dos projetos disponíveis na plataforma, sempre alinhada com os 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas. No total, os projetos da GoParity evitam anualmente a emissão de quase 20 mil toneladas de CO2 e produzem mais de sete megawatts-hora de energia limpa.

No plano social, os projetos investidos na GoParity já tiveram um impacto positivo em mais de 20 mil pessoas, desde criação de novos postos de trabalho, mulheres em posição de liderança, pessoas em situação de vulnerabilidade social, pequenos produtores ou alunos com planos de educação que incluem a temática da sustentabilidade.

“Aqui os investidores sabem exatamente para onde o seu dinheiro está a ser canalizado, uma vez que são eles a selecionar os projetos em que pretendem investir”, acrescenta Nuno Brito Jorge.

Em 2021, o objetivo da Go Parity é “aumentar a cobertura geográfica, aumentar significativamente a comunidade de investidores, levantar uma ronda de investimento e lançar novas funcionalidades e parcerias para continuar a revolucionar as finanças de impacto. Estamos a desenvolver um produto em conjunto com várias empresas parceiras para compensar a pegada carbónica.” À data, a fintech já levantou um total de 750 mil euros em rondas de investimento e financiamento público.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

GoParity triplicou o investimento por privados em sustentabilidade só em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião