Médicos deram código a menos de 3% dos casos e muito poucos chegaram à app StayAway Covid

Entre 1 de setembro e 5 de janeiro, os médicos geraram códigos para a StayAway para menos de 3% dos casos de coronavírus. E menos de 25% foram voluntariamente introduzidos na aplicação.

Os utilizadores da StayAway introduziram na aplicação menos de 25% dos códigos gerados pelos médicos, códigos esses que permitem a identificação de possíveis infeções pelo novo coronavírus. Ao mesmo tempo, os médicos geraram códigos para apenas 2,7% do total de casos confirmados desde o lançamento do aplicativo, até ao passado dia 5 de janeiro.

Estes dados foram cedidos ao ECO por fonte oficial do INESC TEC e mostram como, depois de um período de forte crescimento da aplicação na reta final de 2020, a StayAway Covid ainda é relativamente pouco usada face à totalidade de casos e de portugueses passíveis de a poderem usar.

De acordo com a referida fonte, até 5 de janeiro, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) geraram 10.560 códigos que permitem aos doentes marcarem-se como infetados na aplicação, enviando, assim, um alerta anónimo para pessoas com quem tenham tido contactos de risco. É uma ínfima parte dos mais de 378 mil casos de Covid-19 confirmados entre 1 de setembro e 5 de janeiro, isto é, entre o lançamento da app e a data a que se refere o número.

Em simultâneo, apenas 2.578 pessoas possuidoras do código gerado pelos médicos optaram por, voluntariamente, se marcarem como infetadas na StayAway Covid. Isto é, menos de 25% do total de códigos existentes.

Além disso, o INESC TEC, entidade promotora da app, dá conta da existência de 2.921.162 downloads da ferramenta em telemóveis com Android e iOS, e ainda da marca Huawei (sem Play Store). O universo potencial de downloads em Portugal é de 6,5 milhões, como revelou ao ECO um dos responsáveis da aplicação.

A StayAway Covid permite identificar possíveis contactos de risco através de uma tecnologia que recorre ao Bluetooth e permite manter o anonimato de todos os intervenientes, incluindo, e sobretudo, o do próprio doente. As autoridades de saúde não têm acesso a informação concreta sobre quem se marcou como infetado e todo o caráter da aplicação é voluntário.

A ferramenta foi desenhada para complementar o sistema manual de deteção de cadeias de transmissão em plena pandemia do novo coronavírus. O seu desenvolvimento custou em torno de 400 mil euros, um investimento financiado pelo próprio INESC TEC.

Estes números são conhecidos depois de um período em que se estima terem havido mais contactos entre os portugueses, por causa das celebrações do Natal e do Ano Novo. O dia fica, desde já, marcado pelo recorde absoluto em novos casos, que esta quarta-feira ultrapassou a fasquia das dez mil novas infeções.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Médicos deram código a menos de 3% dos casos e muito poucos chegaram à app StayAway Covid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião